quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O sol abriu seu para-sol bordado - Bananal - SP

O sol abençoa a todos com luz e calor, mas as vezes exagera um pouco e o jeito é apelar para a sombrinha para poder cruzar a praça em segurança.



E como não lembrar do poetinha ao ver uma cena como esta?

Mário Quintana

O dia abriu seu pára-sol bordado
de nuvens e de verde ramaria.
E estava até um fumo, que subia,
mi-nu-ci-o-sa-men-te desenhado.

Depois surgiu, no céu arqueado,
a Lua – a Lua! – em pleno meio-dia.
Na rua, um menininho que seguia
parou, ficou a olhá-lo admirado…

Pus meus sapatos na janela alta,
sobre o rebordo… Céu é que lhes falta
pra suportarem a existência rude!

E eles sonham, imóveis, deslumbrados,
que são dois velhos barcos, encalhados
sobre a margem tranquila de um açude…