quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Castelinho do Flamengo - Rio de Janeiro - RJ

Mesmo para quem já conhece o Flamengo, é praticamente impossível passar em frente ao famoso Castelinho e ficar indiferente. Encravada entre edifícios, esta construção sui-generis sob vários aspectos, conseguiu sobreviver a sanha imobiliária até ser tombada em 1983. Hoje abriga o Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho e o Centro Carioca de Referência do Humor Gráfico.

O projeto arquitetônico foi concebido pelo italiano Gino Copede em 1916 e a construção ficou a cargo do engenheiro Fransciso dos Santos, tendo sido finalizada em 1918. A edificação foi concebida para se tornar a residência do Comendador Joaquim da Silva Cardoso e de sua esposa Carolina, na época proprietário da Construtora Silva Cardoso, fundada em 1888.


Nem a expansão imobiliária conseguiu vencer o Castelinho.

Torreão do Castelinho, com a Baia de Guanabara ao fundo.
Pode-se dizer que o Castelinho é eclético, pois mescla elementos de diversos estilos e épocas diferentes, tais como o art-nouveau, o barroco, o renascentista e o neo-gótico francês. Apresenta acabamento em cantaria, estuque, barrado de azulejaria, telhado de ardósia e rica serralheria. Há também uma profusão de formas geométricas que dão um aspecto de dinamismo ao ambiente.



O segundo andar é considerado a ala nobre da residência.

Decoração do teto do segundo andar.
Detalhe da decoração retratada acima, com rosto de criança com expressão curiosa.

Infelizmente o casarão passou por um longo período de abandono e depredação, inclusive com invasões de sem teto que acabaram por prejudicar aspectos importantes da decoração. Num destes incidentes, um princípio de incêndio quase pôs fim a tudo, sendo que as marcas das chamas ainda podem ser vistas na escadaria de madeira que leva ao segundo andar. Em 1989 deu-se início ao processo de restauração do prédio, que durou até 1992.


Reza a lenda que o Castelinho é assombrado por Maria de Lourdes, antiga moradora. 
É claro que uma casa como esta, tão única e tão antiga, possui suas histórias. Uma delas diz que na década de 30 os donos do imóvel morreram atropelados e a filha do casal, Maria de Lourdes, passou a ser criada por um tutor. Dotado de má índole, este tutor não apenas roubou seus bens, mas também prendeu-a na torre e a maltratou. Na década de 70, o Castelinho foi invadido por moradores de rua e muitos fugiram do local alegando que sentiam alguém tocando neles durante a madrugada, enquanto dormiam. Alguns chegaram a presenciar aparições de uma mulher, supostamente Maria de Lourdes, que teria voltado para retomar o que era seu.

Centro Cultural Oduvaldo Viana Filho / Castelinho do Flamengo

Endereço: Praia do Flamengo, 158, Rio de Janeiro / RJ
Telefone: (21) 2205-0655.
Funcionamento: De 3ª feira a domingo, das 10h às 20h
Ingresso: Entrada franca

Fontes:

O Castelo do Flamengo – Centro Oduvaldo Vianna Filho. OLIVEIRA, Véra. Disponível em http://www.veraoliveira.com.br/blog/o-castelo-do-flamengo-centro-oduvaldo-viana-filho/. Acessado em 26 dez. 2013.

Rio mal-assombrado. PESSOA, Daniela. Veja Rio, 13 jul. 2012. Disponível em http://vejario.abril.com.br/especial/lugares-mal-assombrados-645063.shtml. Acessado em 26 dez. 2013.