segunda-feira, 17 de março de 2014

Parque da Catacumba - Rio de Janeiro - RJ

O nome Parque da Catacumba não deixa de ser um tanto curioso e tem origem em histórias que se contavam no tempo da colonização de que, nas enconstas daquele morro, os índios sepultavam seus mortos. Entretanto, até o momento não foram localizados vestígios que comprovem a existência de um cemitério indígena no local.

Portão de entrada do Parque da Catacumba.


No início do século XX a região era conhecida como Chácara da Catacumba e pertencia a Baronesa da Lagoa Rodrigo de Freitas que, ao falecer, teria deixado a posse destas terras aos seus ex-escravos. A questão da herança nunca foi esclarecida, mas o fato é que eles realmente se mudaram para lá e deram início a construção de casas simples. Com o passar do tempo a ocupação foi crescendo até tornar-se uma grande favela, que chegou a abrigar em torno de 10.000 pessoas. Durante a gestão de Carlos Lacerda, na década de 60, foi iniciado o processo de remoção dos moradores para conjuntos habitacionais como a Vila Kenedy e a Cidade de Deus. O processo foi concluído na gestão seguinte, que batizou o lugar como “Parque Carlos Lacerda”. A denominação atual foi dada em 1979 por ocasião da inauguração do parque.

O projeto arquitetônico e paisagístico do Parque da Catacumba pode ser dividido em duas partes. Na parte baixa, até a meia encosta do morro, privilegiou-se a organização do espaço com a construção de alamedas e praças calçadas com granito. O contraponto à dureza da pedra é feito com belos jardins e muitas árvores. Completando o cenário, esculturas doadas por artistas de renome como Bruno Giorggi, Krajcberg, Mario Cravo, Remo Bernucci, Franz Waissman, entre outros estão em exposição permanete ao ar livre.


Alamedas amplas e arborizadas formam um agradável refúgio em dias de calor.



Obras de arte estão espalhadas por todo o lugar.



Espaços gramados criam um belo efeito e protegem a encosta da erosão.

Na parte alta, da meia encosta ao topo do morro, foi feito o reflorestamento com a predominância de espécies nativas da mata atlântica. Com o renascimento da mata, deu-se início a formação de uma fauna local, constituída basicamente por pássaros, répteis e sagüís. Duas trilhas levam ao ponto mais alto do morro, passando por três pontos de observação. Mirantes estrategicamente colocados permitem que o visitante aprecie uma das mais belas vistas da Lagoa Rodrigo de Freitas (para ver este post, clique aqui).

Em 2008 foi licitada a concessão de exploração de equipamentos de turismo de aventura no parque. A empresa vencedora ofereceu um circuito de aventura que inclui atividades como:
  • arvorismo, em diferentes graus de dificuldade;
  • muro de escalada;
  • rapel na encosta do Morro do Urubu com vista para a lagoa; e
  • tirolesa.


A tirolesa tem baixo grau de dificuldade e é uma
das atrações preferidas dos frequentadores do parque.

Parque Natural Municipal da Catacumba

Endereço: Av. Epitácio Pessoa, 3000 – Lagoa – Rio de Janeiro

Horário:  De terça a domingo, das 08h00 às 17h00.
Tel: (21)  2247-9949

A entrada é gratuita, mas o uso dos equipamentos da concessionária são cobrados.
Estacionamento gratuito
Bicicletário