quinta-feira, 29 de maio de 2014

SEA seleciona fotos para mostra Minha Baía de Guanabara - Rio de Janeiro - RJ

A Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro - SEA está promovendo a mostra fotográfica Minha Baía de Guanabara com o objetivo de conscientizar a todos sobre a necessidade de resgatar este que é um dos mais belos cartões postais da cidade. A mostra tem caráter exclusivamente cultural e integra as  comemorações da Semana do Meio Ambiente, que acontece de 2 a 8 de junho.


Qual é a sua Baia de Guanabara?
Para participar, basta ser residente e domiciliado no Brasil e ter uma conta na rede social Instagram. As fotos deverão ser postadas com as hashtags #abaiaquenaoqueremos ou #abaiaqueamamos. As imagens selecionadas serão reunidas em uma exposição que será inaugurada no domingo, dia 8 de junho, no Espaço das Águas, na Lagoa.

Maiores informações podem ser obtidas na página da Secretaria (para acessar, clique aqui).


quarta-feira, 28 de maio de 2014

10 lugares para visitar enquanto durar a greve do Ministério da Cultura - Rio de Janeiro - RJ

Hoje em dia não basta ao turista prevenido checar apenas as passagens e estadia, pois com a temporada de greves pré-copa a todo vapor também é necessário verificar se os locais escolhidos para visitar estarão abertos no período da viagem!

Aqui no Rio de Janeiro a greve dos servidores do Ministério da Cultura - MinC cerrou as portas de importantes destinos turísticos, como o Museu Imperial de Petrópolis, o Museu Nacional de Belas Artes e a Biblioteca Nacional. Como consequência, um grande número de visitantes se viu impedido de visitar estes locais e tiveram que adaptar seus roteiros de última hora.

Pensando nisto, elaboramos uma lista com dicas de locais que não correm o risco de fechar e que são boas alternativas de cultura e diversão.

Confira nossa lista e mande sua sugestão!

Parque Lage: Antiga residência do banqueiro Henrique Lage, hoje é um parque público localizado aos pés do Corcovado. Possui um belo bosque com trilhas e atrações como um aquário e uma torre de castelo. Entrada franca. Endereço: Rua Jardim Botânico, 414 - Jardim Botânico, Rio de Janeiro - RJ;

Theatro Municipal: Sem dúvida um dos mais belos prédios da cidade, é a principal casa de espetáculos do Brasil e uma das mais importantes da América do Sul. O Theatro foi totalmente restaurado no ano de seu centenário e visitas guiadas ocorrem em diversos horários. Endereço: Praça Floriano, S/N - Cinelândia - Centro, Rio de Janeiro - RJ;

Museu Militar Conde de Linhares: Tem como proposta contar a História Militar desde o período colonial até os dias de hoje, com destaque para a exposição sobre a Força Expedicionária Brasileira - FEB e o Pátio dos Blindados. Funciona de terça a domingo, inclusive feriados, das 10 às 17 horas. Endereço: Avenida Pedro II, 383 - São Cristovao, Rio de Janeiro - RJ;

Aterro do Flamengo: Área de lazer construída sobre os sucessivos aterros realizados na Baia de Guanabara. Vai do Aeroporto Santos Dumont à enseada de Botafogo. Próximo ao centro estão o Museu de Arte Moderna - MAM, Moumento aos Pracinhas e a Marina da Glória. A região do Flamengo é bastante arborizada e conta com quadras poliesportivas, ciclovias e pistas para corrida. Entrada franca;


Chorinho na Praça
Praça São Salvador: Localizada no bairro de Laranjeiras, é um ponto de encontro de diversas tribos urbanas, com destaque para os saraus musicais que ocorrem aos sábados a noite. Aos domingos acontece o Choro na Praça, com apresentações de grupos dedicados ao samba e ao chorinho e a Feira da São Salvador, com barracas de artesanato, comes e bebes e muito mais. Até um sósia do Rei Roberto Carlos já deu o ar da graça por aqui;


Feira do Lavradio: acontece sempre no primeiro sábado de cada mês. É um mercado de pulgas, onde se encontra de tudo, desde antiguidades até artesanato, artigos para decoração e vestuário. Como na rua há um bom número de bares, também é um ponto de encontro para um choppinho ao som dos grupos musicais que se alternam no decorrer do dia. Endereço: Rua do Lavradio em toda sua extenção, no Centro Histórico do Rio;

Quinta da Boa Vista: antiga residência imperial, atualmente é um museu - que se encontra fechado por ocasião da greve. Entretanto, vale visitar o lugar pelo jardim, que é um verdadeiro parque, e pelo Jardim Zoológico que fica no mesmo local. Entrada franca. Endereço: Avenida Pedro II s/n - Bairro Imperial de São Cristóvão, Rio de Janeiro - RJ;

Pista Cláudio Coutinho: Localizada ao pé do Morro da Urca é o local perfeito para um passeio em contato com a natureza e belas paisagens. Tem extensão de 1,25 quilômetros e é totalmente asfaltada, com marcação de distância a cada 50 metros. Através de algumas trilhas, a partir dela é possível ter acesso ao morro do Pão de Açúcar. A pesca é permitida e pode ser feita nas pedras que descem em direção ao mar. Entretanto, não é permitida a circulação de bicicletas nem a entrada de animais domésticos. Crianças só podem entrar acompanhadas por adultos. Funciona das 06h00 às 18h00. Entrada franca. Endereço: Praça General Tibúrcio, 125 - Praia Vermelha, Rio de Janeiro - RJ;

Vista do mirante.
Parque da Catacumba: Apesar do nome é um lugar muito bonito e, pelo menos até hoje, não foram encontrados vestígios de que tenha servido para sepultamentos no passado. Pode ser dividido em duas partes: a baixa, ao nível da Lagoa Rodrigo de Freitas e a alta, a qual se tem acesso por trilhas. Na parte baixa destaque para diversas esculturas expostas ao ar livre e a área de circulação que conta com um projeto paisagístico primoroso. Na parte alta encontram-se dois mirantes que oferecem uma vista deslumbrante da lagoa e seu entorno. Entrada franca. Horário:  de terça a domingo, das 08h00 às 17h00. Endereço: Av. Epitácio Pessoa, 3000 - Lagoa, Rio de Janeiro - RJ;





Centro Cultural dos Correios: Integrante do Corredor Cultural da cidade, está localizado numa antiga agência, construída na década de 20 do século passado. Oferece programação variada, que inclui exposições de artes plásticas, mostras de cinema, performances, instalações e ações de vanguarda. Entrada franca. Horário: de terça a domingo, das 12h00 às 19h00. Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 - Centro, Rio de Janeiro - RJ.


É claro que existem outras opções, mas destas temos certeza que você vai gostar. Agora é programar o roteiro e sair gastando sola por ai!


segunda-feira, 26 de maio de 2014

A Igreja Matriz e o sexo dos anjos - São Lourenço - MG

A cidade de São Lourenço é muito conhecida pelas propriedades terapêuticas de suas águas minerais, como já falamos no post Parque das Águas, e quem a visita sabe que aqui não faltam boas opções de passeios.

Enquanto gastávamos sola por lá, aproveitamos para conhecer a Igreja Matriz e tirar algumas fotos das estátuas que adornam o altar principal que, diga-se de passagem, são realmente impresionantes.

Enquanto fotográfavamos o interior da igreja um senhor se aproximou, puxando conversa, e chamou nossa atenção para a decoração da cúpula.

Pintura da cúpula da Igreja Matriz de São Lourenço.

Trata-se de uma pintura de grande formato, que ocupa todo o espaço do teto e traz, segundo o morador, uma representação muito original da vida celeste. Aqui, o artista representou dois anjos como se fossem um casal de namorados, sendo que num dos quadros aparece a família completa com o surgimento de um filho.

Detalhe da "família" de anjos.

Infelizmente não foi possível confirmar se a versão apresentada por aquele senhor condiz com a verdadeira intenção do artista, mas uma coisa é certa: esta foi a primeira vez que documentamos este ripo de alegoria em um templo cristão (e olha que já gastamos muita sola visitando igrejas!). Seja como for, a pintura continua lá e os fiéis parecem não se importar com seu conteúdo simbólico. Ou estão tão acostumados a ela que não se preocupam em discutir o sexo dos anjos.

Igreja Matriz de São Lourenço Mártir

Endereço: Av. Dom Pedro II - CEP 37470-000 São Lourenço - MG

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Anunciada marca comemorativa dos 450 anos - Rio de Janeiro - RJ

No dia 1º de março de 2015 a cidade do Rio de Janeiro irá completar 450 anos, mas a festa já está sendo preparada desde agora.

Num dos eventos alusivos a data, foi anunciada a marca comemorativa, que venceu um concurso público onde concorreram outros 27 participantes.

O curioso é que na peça confeccionada para apresentação da marca, onde constam ícones da carioquice, aparece o famoso bonde de Santa Teresa sobre os Arcos da Lapa (veja na ilustração abaixo).

Marca Comemorativa dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro.

Entretanto, o bonde deixou de circular em agosto de 2011 depois que um grave acidente vitimou 5 passageiros e deixou mais de 50 feridos. Sem dúvida um ícone do bairro e da própria cidade, o bondinho já foi tema de vários posts aqui no blog (com destaque para Bonde de Santa Teresa, o retorno e Bonde de Santa Teresa, é melhor esperar sentado) e vem sendo alvo de uma polêmica entre a Prefeitura e a Associação dos Moradores e Amigos de Santa Teresa - AMAST devido aos constantes atrasos no cronograma das obras de implantação dos novos trilhos e da situação de caos que vive Santa Teresa devido a interdição das ruas por meses, sem perspectiva de liberação num curto espaço de tempo.

Trecho da rua Joaquim Murtinho em novembro de 2013.


Era de se esperar que por sua importância histórica e valor simbólico o bonde de Santa Teresa merecesse uma atenção maior por parte da Prefeitura do que aparecer numa ação de marketing. Afinal o cartaz vende um produto que, ao menos no momento, não existe! E a julgar pelo ritmo das obras dificilmente estará disponível para os festejos de março.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Ollantaytambo - Urubamba - Peru

Ollantaytambo é um dos sítios arqueológicos mais espetaculares do Peru, ficando atrás apenas de Machu Picchu. E é também a única cidade incaica que ainda é habitada até os dias de hoje. O lugar é repleto de histórias e cada pedra parece esconder um mistério que convida o visitante a explorar cada recanto em busca de respostas.

Destas histórias, a mais conhecida é uma lenda que conta a origem do nome como sendo uma homenagem a Ollantay, valente guerreiro que caiu de amores pela filha do Inca Pachacútec, a bela e inalcansável Cusi Coyllur. Pela tradição da época o matrimônio entre um plebeu e uma princesa era terminantemente proibido, mas os enamorados enfrentaram a ira do rei e travaram uma guerra pelo direito de permanecerem juntos. Ao final, com a morte de Pachacútec e a ascensão de seu irmão ao trono - que reconhecu a união dos dois - a paz foi selada e o povo andino foi integrado ao mundo incaico.

Um centro de produção de sementes com 1.500 anos de idade


Área de cultivo na enconsta da montanha, voltada para o nascente.

Estudos recentes demonstraram que no complexo de Ollantaytambo funcionou um centro de produção e distribuição de sementes altamente desenvolvido. Os terraços agriculturáveis foram erguidos na encosta de uma montanha voltada para o sol nascente, de modo a aproveitar da melhor forma possível a área de cultivo e a luz necessária para o desenvolvimento das plantas.

Detalhe dos terraçõs onde eram cultivadas as sementes.

Cada setor destes terraços era destinado ao cultivo de uma variedade de cultura, como milho e batata, por exemplo, com o único propósito de produzir sementes, que uma vez colhidas eram armazenadas em silos construídos na encosta da montanha em frente. Estes silos foram construídos de tal forma que mesmo em dias de sol a temperatura permanece baixa, facilitando a conservação dos alimentos.

Vista parcial do complexo, com  silo na encosta da montanha.

Posteriormente estas sementes eram enviadas as províncias que se encarregavam da produção agrícola, garantindo, desta forma, o fornecimento regular de alimentos para todo o império.

Tursitas em visita ao sítio arqueológico.

Um rosto na montanha


No ponto mais alto da montanha onde foram construídos os terraços encontra-se o Templo do Sol, inacabado em função da invasão espanhola que obrigou os construtores a abandonarem o local. Os antigos incas eram habéis na astronomia e deixaram vestígios importantes sobre como controlavam as estações do ano aqui em Ollantaytambo.

Na montanha em frente foi esculpido o perfil de um rosto masculino de tal maneira que, para um observador postado no Templo do Sol, no dia 21 de junho (solstício de inverno), o sol surge exatamente no ponto correspondente ao olho. Assim os sacerdotes acompanhavam a aproximação dos períodos de semeadura e colheita, datas fundamentais para uma sociedade que dependia basicamente da agricultura para sobreviver.

Perfil de um rosto esculpido na montanha.

Pedras finamente trabalhadas

Ollantaytambo também é conhecido pela qualidade de suas construções, onde cada pedra é trabalhada de forma independente em relação às outras, com lados, ângulos e volumes diferentes. A edificação das paredes através desta técnica visava dar mais segurança contra terremotos, pois assim as pedras resistem melhor à trepidação e não se deslocam com facilidade. Obviamente isto fazia com que as obras se estendessem por gerações, mas os antigos incas tinham conceitos muito diferentes do tempo, da vida e da função de cada indivíduo na sociedade, de modo que isto não era um problema.


Veja os álbuns de fotos sobre a viagem ao Peru em Abaretiba, nossa página no Facebook:
Trilha Inca Curta  - rumo à Machu Picchu;
Águas Calientes - reabastecer para continuar a jornada;
Machu Picchu  - um dia na cidade sagrada dos Incas.


Leia também:

terça-feira, 20 de maio de 2014

Mercado de Corao - Peru

O Mercado de Corao fica na rodovia que liga Cuzco à Pisac e é formado por diversas barracas dedicadas a venda de artesanato. O local também é utilizado pelas operadoras turísticas como parada técnica, pois há uma área de alimentação e banheiros para uso dos visitantes.

Mercado de Corao.


Quem visita o Vale Sagrado logo percebe que existem diversos mercados como este espalhados pela região. Este tipo de comércio tem se desenvolvido notadamente nos últimos anos graças ao incentivo governamental que vê na atividade uma forma de alavancar o desenvolvimento econômico com base nos recursos trazidos pela indústria do turismo.


As lhamas dão um toque típico ao local.


A iniciativa é louvável, sem dúvida, mas os cursos de qualificação e as orientações dos consultores traz como consequência a produção de peças voltadas para o mercado. Ou seja, acaba por ocorrer uma certa padronização nas estampas, substituição das fibras naturais por sintéticas (mais baratas) e as peças passam a ser produzidas seguindo um design moderno e funcional, muito distante dos padrões oriundos da tradição.


Capas de caderno com estampas não tão tipicamente peruanas.


É bom que se diga que isto não significa ausência de qualidade. Significa apenas que para encontrar peças representativas da genuína e autência cultura peruana é necessário procurar um pouco mais e ir além dos mercados turísticos facilmente encontráveis por aqui.


Mochilas e tapeçaria estão entre os itens comercializados em Corao.


A dica é conversar com os atendentes e ficar atento a informações que são passadas muitas vezes de forma inadvertida. Por vezes a barraca é propriedade da família, que se divide entre a produção tradicional, normalmente para uso próprio ou da comunidade, e a comercialização de produtos voltados para o mercado turístico. Neste dia, enquanto falava com a vendedora, notei alguns objetos entalhados em osso e perguntei do que se tratava. Eram "cigarros" feitos em chifre, um engenhoso sistema para fumar tabaco picado sem a necessidade de enrolar em palha ou papel. Um achado!


Veja os álbuns de fotos sobre a viagem ao Peru em Abaretiba, nossa página no Facebook:
Trilha Inca Curta  - rumo à Machu Picchu;
Águas Calientes - reabastecer para continuar a jornada;
Machu Picchu  - um dia na cidade sagrada dos Incas.


Leia também:

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Wiki Loves Earth 2014 - Brasil

Quem, como nós, curte gastar sola mundo afora e é aficcionado por fotografia tem mais uma oportunidade de exibir o resultado de seus clics para uma audiência internacional. É que a Wikipédia está promovendo um concurso para incentivar a inclusão de imagens dos patrimônios naturais em seu acervo.


O concurso está dividido em duas etapas: na primeira, que ocorre em cada país participante, serão escolhidas as 10 melhores fotos para participarem da segunda, em nível internacional. O participante concorre em duas categorias: a de melhor foto e a de melhor contribuição. Aqui no Brasil, na etapa nacional, estão previstas as seguintes premiações, por categoria:

  • 1º lugar: R$ 2.500,00;
  • 2º lugar: R$ 1.500,00; e
  • 3º lugar: R$ 1.000,00.
Também está prevista a realização de exposições em algumas capitais brasileiras e a publicação das fotos em revistas especializadas.

Interessado? Então entre no site do concurso e mande suas fotos até o dia 31 de maio. Nós já mandamos as nossas!

Concurso Wiki Loves Earth - Brasil: https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:Wiki_Loves_Earth_2014/Brasil

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Tunupa Restaurant - Urubamba - Peru

Quando adquiri o pacote do passeio ao Vale Sagrado sabia que o almoço estaria incluído e que seria num dos restaurantes da região. O que eu não podia imaginar é que teria o privilégio de degustar minha refeição numa antiga sede de fazenda as margens do rio Urubamba e emoldurada pelas belas montanhas andinas.

Restaurante é antiga sede de fazenda.

Tunupa é o nome de uma antiga divindade da região dos Andes, responsável pelos raios e erupções vulcânicas - sem dúvida um grande contraste com a tranquilidade do lugar. A casa que abriga o restaurante foi reformada para receber os clientes num clima ao mesmo tempo rústico e elegante. A decoração de época busca preservar o aspecto original da construção sem comprometer o conforto e a funcionalidade necessários para bem servir.


Walter, o homem do ceviche.

O cardápio é bastante eclético e oferece opções que vão da cozinha internacional aos pratos típicos da região. No dia em que realizei a visita tive a oportunidade de provar o maiz tostado (variedade de milho graúdo torrado em panela de barro) e ceviche, ambos muito bem preparados. Aliás, neste dia decidi comer apenas produtos locais para ter uma idéia melhor de como seria uma refeição nos tempos dos incas. Ao maiz e ao ceviche vieram se somar papas (batatas) e uma variedade de saladas. Para acompanhar, uma Cusqueña (cerveja) bem gelada.


Rio Urubamba

Da varanda onde se localizava minha mesa era possível divisar um amplo jardim com alguns camelídeos sudamericanos (como as alpacas, lhamas e vicunhas são chamadas no Peru) e um trecho do rio Urubamba, responsável pela irrigação e fertilidade do Vale Sagrado. Esta área fica disponível para visitação e a caminhada é uma boa forma de fazer a digestão.


Um dos salões do Tunupa.


Também é possível circular livremente pelo interior da casa que, mesmo tendo sido adaptada para sua nova finalidade, permite ter uma idéia do esplendor dos tempos coloniais. Há inclusive uma capela que foi mantida como tal e a ela se pode ter acesso a partir do salão principal ou por uma passagem separada a partir da rua, sugerindo que as cerimônias ali realizadas são abertas a comunidade.

A capela fica anexa ao salão principal.

Tunupa Restaurant


Endereço: Km 77 da rodovia Pisac - Ollanta, Vale Sagrado dos Incas - Peru
Site: www.tunuparestaurante.com


Veja os álbuns de fotos sobre a viagem ao Peru em Abaretiba, nossa página no Facebook:
Trilha Inca Curta  - rumo à Machu Picchu;
Águas Calientes - reabastecer para continuar a jornada;
Machu Picchu  - um dia na cidade sagrada dos Incas.


Leia também o relato do primeiro dia: Cuzco - Peru, o artigo Cuzco, a versão cotidiana de uma cidade turística - Peru, o relato do caminho até Machu Picchu em Trilha Inca Curta e da experiência de estar em Machu Picchu em Machu Picchu - Peru.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

O Brasil que o estrangeiro vê

Que o Brasil tem lá seus problemas todo mundo sabe, não é mesmo? Mas a verdade é que por vezes tendemos a exagerar na autocrítica e acabamos por focar nos defeitos, esquecendo tanta coisa boa que temos em volta.

Por isso o GSMA convidou algumas pessoas de fora do Brasil - e que passaram algum tempo por aqui - para dar sua opinião sincera sobre o que acharam da experiência. A proposta é publicar os textos na íntegra, sejam eles favoráveis ou não a nossa autoestima.

Se você é estrangeiro e gostaria de dar sua contribuição neste projeto, entre em contato conosco pelo e-mail abaretiba@gmail.com.

6 meses de Brasil, por Júlia Walsche


Júlia  foi a primeira a atender este convite. Ela é dinamarquesa, veio para um intercâmbio em 2013 e aproveitou a oportunidade para percorrer várias regiões do país, conhecendo diferentes lugares, pessoas e culturas. Seu relato está repleto de experiências que revelam a distância entre a expectativa da viagem e a realidade encontrada. E um detalhe interessante, ela escreve muito bem em português!

Júlia percorreu o Brasil de norte a sul e tem a muito a contar sobre esta experiência.
Segue o relato de Júlia:

Eu fui ao Brasil para um intercâmbio universitário de 6 meses na USP em São Paulo. Eu aluguei um quarto numa casa de família num bairro muito legal que se chama Vila Madalena. A família me trato super bem e me fizeram sentir parte deles. Eu fui convidada em todas as festas familiales, eu tomei o café e o jantar todo dia com eles. Foi muito bom conhecer a cultura brasileira daquele jeito.

Como eu queria conhecer o pais inteiro eu viajei bastante. Aqui esta uma lista dos lugares onde eu fui nesses 5 meses e como eu fui tratada pelos brasileiros:
- Parati e a Praia de Trindade com a minha família brasileira. A gente ficou numa pousada muito legal. Tiradentes com a minha família também. A gente ficou numa pousada com um dono muito engraçado e meio maluco.

- Rio [de Janeiro]: eu fui lá com o meu namorado e a gente ficou num hostal muito internacional. Tinha bastante turistas mas deu tudo certo. A gente chegou no Rio muito assustados porque na Europa todo mundo fala mal do Rio, que é uma cidade muito perigosa etc.. mas não foi nada assim, os cariocas são gente boa.

- Ilha Grande: eu fui lá com uma amiga croata e a gente ficou numa pousada pequena. Foi incrível, a gente fez muita caminhada. As pessoas do povoado falaram que a gente precisava de guias e que é muito perigoso andar sozinhas. Mas isso foi só para a gente gastar dinheiro. Fomos sozinhas e deu tudo certo!

- Belo Horizonte e Ouro Preto: eu tinha comprado uma passagem de avião para visitar um amigo, mas ele teve que cancelar. Então eu fui sozinha e fiquei na casa dos pais de um amigo de um amigo meu. Então eu não conhecia eles. Foi uma grande surpresa, eles foram demais. Me trataram como a filha deles, me levaram em todos os lugares para conhecer, fomos ao Ihotim e a cidade de Ouro Preto. Eles me ofereceram uma hospitalidade incrível.

 - Foz do Iguaçu ( lado brasileiro e argentino): ai fui com um grupo de intercambistas. Eu achei tudo muito caro e turistico. As pessoas só queriam ganhar dinheiro com a gente.

- Belém e Manaus: acho que esta foi a viagem mais legal que eu fiz no Brasil. Eu estava com o meu namorado e a gente foi primeiro a Belém e de lá até a Ilha de Marajó. No hotel em Belém a gente teve um problema porque a reserva não estava e a gente não tinha onde ficar. Mas depois o pessoal do hotel nos ajudou a encontrar um quarto. De lá a gente foi a Ilha de Marajó e ficamos numa pousado muito legal. Em Manaus a gente dormiu 5 dias no meio da floresta na casa de Nilson, um índio. Foi uma experiência muito linda: ele sabia muitas coisas e nos ensinou de um jeito muito local e diferente. A gente adorou ficar lá. Pescamos bastante e jantamos com ele.

- Campinas: a minha melhor amiga brasileira mora em campinas. Eu passei o Natal com a família dela. Também eles me trataram como a filha deles. Eu me senti muito integrada. Na noite de Natal, eu cozinhei comida da Bélgica para eles. A gente teve um intercâmbio cultural muito legal.

- Brasília e o interior de minas: eu visitei a família de Thiago, um brasileiro que tinha vivido na minha casa em Bélgica um ano. Eles me trataram como a filha deles, visitamos bastante.

[Também estive na ] Bahia (Salvador, Praia do Forte, Praia do Gunga), Maceió e Chapada Diamantina: eu viajei com 5 outros intercambistas. A gente ficou em pousadas muito legais. Os baihanos são gente boa e não aconteceu nada não. O tempo que eu passei no Brasil foi demais, eu fiz amizades únicas e conheci lugares incríveis. Eu voltarei com certeza!


quarta-feira, 14 de maio de 2014

Fortaleza de Sacsayhuaman - Cuzco - Peru

As ruínas de Sacsayhuaman estão localizadas a aproximadamente 2 km do centro de Cuzco, num caminho de fácil acesso, tanto que alguns turistas aproveitam para fazer uma bela caminhada até o local. Este é um dos pontos mais conhecidos e visitados da cidade e é com certeza o que mais impressiona pela grandeza da obra.

Ruínas das muralhas de Sacsayhuaman.

A função original de Sacsayhuaman ainda é um mistério, mas especula­-se que tenha sido uma instalação com fins militares. Sua área total é de aproximadamente 4.000 m2, espaço suficiente para abrigar toda a população de Cuzco no caso de um ataque inimigo. Em frente as muralhas existe uma grande praça que era usada para cerimônias de cunho militar e religioso. Atualmente, é nesta praça que se realiza o Inti Raymi, ou Festa do Sol, no dia 24 de junho - data que marca o solstício de inverno no hemisfério sul nos Andes.

De acordo com Garcilaso de la Vega, cronista espanhol que acompanhou as expedições de Pizarro, foi o Inca Pachacuti quem deu início a construção de Sacsayhuaman antes de 1438 e a obra teria durado em torno de 50 anos. Quando os espanhóis conquistaram Cuzco ela já estava concluída, tendo sido convertida em pedreira para fornecimento de matéria-prima para as mansões e igrejas erigidas pelos colonizadores europeus. Esta prática visava remover símbolos do povo conquistado para aniquilar a cultura local e subjugá-lo nos planos militar, econômico, cultural e religioso. A Catedral de Cuzco foi erguida sobre as fundações do Palácio Suntur Wasi, residência do Inca Wiracocha, com as pedras levadas daqui. Devido a esta prática hoje se pode apreciar somente 20 por cento do que foi o conjunto arqueológico de Sacsayhuaman.

Pedras monumentais perfeitamente encaixadas.

O que mais chama a atenção ao se observar as muralhas é o emprego de gigantescos blocos de pedra maciça perfeitamente encaixadas. Os monolitos atingem até 9 m de altura e tem peso estimado em torno de 300 toneladas. Acredita-se que a pedreira que abastecia os construtores estivesse localizada a 3 km de distância, exigindo um esforço considerável para o deslocamento dos blocos até seu ponto de destino. Quanto ao sistema de encaixe, tinha a dupla vantagem de dispensar o uso de argamassa para assentar as pedras e de funcionar como uma trava, mantendo a integridade das estruturas mesmo durante os terremotos tão comuns na região.

Vista das muralhas e da praça existente em frente à fortaleza.

Outro detalhe impressionante é o desenho formado pela estrutura e que leva a acreditar que se tratava de uma fortaleza. As muralhas foram construídas em três níveis sucessíveis e em zigue-zague, como os dentes de uma serra. Esta mesma técnia de engenharia militar pode ser notada nas fortalezas coloniais portuguesas em formato de estrela, onde a existência de projeções em ângulo dificultam a escalada das paredes pelo inimigo, pois estes podem ser facilmente alvejados a partir da projeção mais próxima.

Muralha com a cidade de Cuzco ao fundo.

Seja qual for a origem de Sacsayhuaman, hoje ela é a testemunha viva de um passado que mescla o esplendor e a queda do Império Inca. Estudiosos de diversas áreas continuam pesquisando este e outros sítios em busca de respostas sobre o modo de vida dos habitantes originais da América do Sul e visitá-lo é um reencontro com a história.


Veja os álbuns de fotos sobre a viagem ao Peru em Abaretiba, nossa página no Facebook:
Trilha Inca Curta  - rumo à Machu Picchu;
Águas Calientes - reabastecer para continuar a jornada;
Machu Picchu  - um dia na cidade sagrada dos Incas.


Leia também o relato do primeiro dia: Cuzco - Peru, o artigo Cuzco, a versão cotidiana de uma cidade turística - Peru, o relato do caminho até Machu Picchu em Trilha Inca Curta e da experiência de estar em Machu Picchu em Machu Picchu - Peru.

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Vai ter copa, e dai? - Rio de Janeiro - RJ

Quem acompanha as postagens do GSMA sabe que sempre pautamos nossas matérias com base numa agenda positiva, mostrando o que há de bom e de melhor nos locais visitados. Faltando exatos 30 dias para o início da Copa do Mundo gostaríamos de estar trazendo dicas, promovendo atrações e indicando lugares que valessem a pena ser visitados.


Realização da Copa no Brasil frustrou expectativas.

Entretanto, ultimamente temos verificado uma série de problemas que nos levam a questionar se é aconselhável continuar promovendo estes locais sem alertar sobre o quê está acontecendo aqui no Rio de Janeiro.

Desde que a escolha do Brasil como sede de dois eventos mundiais (Copa e Olimpíadas) foi anunciada, verificou-se uma disparada nos preços sem precedentes. Não por acaso foi criada uma página no Facebook com o sugestivo nome de Rio Surreal, que já conta com mais de 45 mil seguidores, destinada única e exclusivamente a denunciar os abusos cometidos por comerciantes cariocas. Um almoço para duas pessoas num restaurante simples não sai por menos de R$ 100,00 e mesmo os famosos "Pés-Sujos" (como são chamados os botecos por aqui) entraram na onda. E é bom lembrar que a elevação dos preços não foi acompanhada nem pelo aprimoramento dos pratos nem pela qualidade no atendimento.

Quanto a segurança urbana, basta uma rápida lida nos jornais para verificar que a situação está longe de ser tranquila. Assaltos a pedestres são rotina, principalmente em relação aos turistas. Até mesmo a polícia tem enfrentado sérias dificuldades com o recrudescimento da violência em áreas pacificadas.

Outro ponto que merece destaque é a (i)mobilidade urbana. A Prefeitura decidiu por remover o Elevado da Perimetral, uma importante via de escoamento que cortava o centro da cidade, sem que uma alternativa viável estivesse concluída. Como resultado o trânsito, que já não era dos melhores, encontra-se num estado caótico, sendo que a solução proposta várias vezes pelos órgãos públicos consiste em apelar aos cidadãos para que não venham ao centro!

E por falar em mobilidade, ao montar um roteiro que previa o uso de transporte coletivo verifiquei que as rotas de ônibus que constam no Google não foram alteradas para se adequar as alterações realizadas pela Prefeitura. Como resultado disto, o site informa, por exemplo, que determinadas linhas continuam passando pelo Aeroporto Santos Dumont, quando na verdade foram desviadas para percursos completamente diferentes e distantes de lá. Coloque-se no lugar de um visitante que não conhece a cidade e decide planejar seu deslocamento utilizando a ferramenta do Google. Sabe-se lá aonde irá parar...

Para completar, algumas categorias profissionais encarregadas de setores vitais estão aproveitando o momento para promover paralisações em busca de melhorias salarias. Aconteceu no Carnaval, quando os garis deixaram que o lixo se acumulasse por toda parte, forçando a Prefeitura a ceder para evitar o pior. Na semana passada foram os rodoviários que fizeram uma paralisação de 24 horas, deixando milhares de pessoas sem transporte para demonstrar seu poder de mobilização.

O recado está dado. Se quiser vir, venha sabendo o quê o espera.

O GSMA vai continuar publicando sugestões e dicas para que aqueles que venham nos visitar possam conhecer o lado bom do Rio e do Brasil. Boa viagem e boa sorte!

Em tempo: acabo de saber que os rodoviários marcaram nova paralisação, agora de 48 horas ...


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Festival Internacional de Circo - Rio de Janeiro - RJ

Começa hoje, no Rio de Janeiro, a segunda edição do maior espetáculo da terra: O Festival Internacional do Circo!

Aqui tudo é grande como sapato de palhaço, pois serão mais de 50 atrações nacionais e internacionais apresentadas por uma trupe de aproximadamente 400 artistas. Ao todo ocorrerão cerca de 200 apresentações gratuitas, em mais de 60 locais espalhados por todas as regiões da cidade, incluindo 46 favelas pacificadas, para um público estimado em 250 mil espectadores.

Além de números circenses, está prevista a realização de eventos paralelos como a Mostra Ibero-Americana de Números Circenses, Competição de Malabares e o espetáculo festivo Noites de Parangolés.

Richard e Lilian, do Grupo Off-Sina.

Entre as atrações brasileiras destaque para a participação de Os Fabulosos, Cia Base,  Grupo Off-Sina e Cia Instrumento de Ver.

Confira a programação completa no site do Festival: http://www.festivaldecirco.com.br/

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Linha Turismo - Porto Alegre - RS

Como todos sabem, adoramos gastar sola por ai em busca de novidades, mas quando se dispõe de pouco tempo um city tour é sempre uma boa opção. Por isso, aproveitamos a estada em Porto Alegre para conhecer a famosa Linha Turismo, um serviço mantido pela Secretaria de Turismo da cidade.

A Linha Turismo é na verdade uma linha de ônibus especial que percorre os principais pontos turísticos de Porto Alegre, com paradas pré-programadas onde os passageiros podem descer ou retornar ao veículo sem precisar pagar nova passagem.

Detalhe da Prefeitura Velha, no centro da cidade.

O tour é feito num ônibus com 4 metros de altura que tem segundo andar aberto. Assim os passageiros podem apreciar a cidade por um outro ângulo e acompanhar pelo sistema de som as informações, dicas e curiosidades sobre os locais visitados.

Há duas opções de roteiros:

  • Centro Histórico: percorre a região mais central da cidade, com destaque para a vista do Guaíba, Praça da Matriz e Usina do Gasômetro. Neste roteiro o visitante pode embarcar e desembarcar em cinco pontos do trajeto;
  • Zona Sul: apresenta ao visitante a zona rural de Porto Alegre, com destaque para a praia de Ipanema, algumas propriedades da rota turística Caminhos Rurais e o Santuário Nossa Senhora Mãe de Deus, que do alto do Morro da Pedra Redonda permite uma vista de 360° da cidade. Este roteiro não possui paradas.

Estádio Beira Rio, sede dos jogos da Copa em Porto Alegre.

No dia em que realizamos o passeio o Centro de Informações Turísticas do Mercado Público estava fechado para reformas e as vendas estavam sendo realizadas no Chalé da Praça XV, logo em frente. O problema é que haviam poucos ingressos disponíveis e vários interessados acabaram desistindo do tour por conta disto.


A super cuia, com o Centro Administrativo ao fundo.
O preço da passagem do roteiro Centro Histórico foi de R$18,00. O ônibus é bastante confortável e o passageiro tem a opção de ir na parte superior ou na inferior, que é fechada. Considerando que o inverno no sul do país costuma ser rigoroso e úmido é uma opção a ser considerada. Vale a pena conferir com mais calma o Parque Moinhos de Vento (mais conhecido por Parcão) e o Mercado Público. Para os amantes da arte a Fundação Iberê Camargo é um prato cheio.

Outra dica é aproveitar o tour para conhecer a cidade rapidamente para depois voltar com calma aos locais de maior interesse.

Detalhe da fachada da Cervejaria Continental, que hoje é um shopping.
Para ver estas e outras fotos visite o álbum Turista na Própria Cidade.

Funcionamento


A linha Centro Histórico funciona de terça a domingo, das 09h00 às 16h00 com intervalo de uma hora entre as viagens

A linha Zona Sul funciona de quarta a domingo com saída às 15h00, sendo que aos sábados, domingos e feriados ocorrem saídas às 15h00 e às 10h30.

Maiores informações podem ser obtidas pelos telefones  (51) 0800.517686 e (51) 3289.0176 ou no site da Secretaria de Turismo de Porto Alegre.

Fonte

Linha Turismo. Disponível em http://www.portoalegre.travel/site/linha_turismo.php?idIndice=32&bitPesquisa=1. Acessado em 07 maio 2014.

terça-feira, 6 de maio de 2014

MCT - PUCRS - Porto Alegre - RS

Nem só de churrasco e chimarrão vivem os gaúchos, também há espaço para ciência, tecnologia, aprendizado e ... diversão! Aliás, quando se trata do Museu de Ciência e Tecnologia da PUC-RS - MCT espaço é o que não falta. Nem atrativos.

Localizado num dos prédios mais modernos do campus universitário, o MCT é um local aberto ao público em geral e pensado para ser um canal de difusão do conhecimento através de exposições elaboradas para despertar a curiosidade e o gosto pelas ciências. Aqui o visitante é convidado a se envolver em experiências inusitadas e divertidas, tornando-se agente de seu próprio aprendizado.


O MCT oferece diversas atrações interativas.

Logo na entrada o esqueleto completo de uma baleia-de-Bryde parece receber os visitantes com um largo sorriso. Mais a frente, um pêndulo de Foucault balança suavemente, hipnotisando os passantes com seu movimento lento e ritmado. A parada é estratégica, pois a partir do local do pêndulo se tem uma visão panorâmica do saguão e ai a dificuldade é decidir qual atração explorar primeiro.

Eletrostática: um show de arrepiar!

Aqui se misturam o passado, o presente e o futuro. O MCT mantém tanto coleções que abrigam um vasto acervo de fósseis e peças provenientes de escavações arqueológicas, quanto espécimes representativos da biodiversidade brasileira e equipamentos que contam de forma viva o desenvolvimento da ciência e da tecnologia. Tudo é pensado para ser auto-explicativo, mas um time de monitores se encarrega de tirar dúvidas e orientar sobre o funcionamento das instalações.



Giroscópio atrai o público jovem.

Há opções para todas as idades. Se você tem filhos pequenos pode ter certeza de que eles não ficarão entediados neste museu. Aliás, o MCT oferece um espaço para eventos que inclui a realização de festas infantis.

Contador geiger para medir radiação.

A possibilidade de operar diversos aparelhos científicos e observar os resultados obtidos é um importante atrativo do MCT. Aqui os fenômenos naturais são vistos, explicados e até mesmo testados.


Funcionamento:

O Museu funciona de terças a quintas-feiras das 9h às 17h, sextas-feiras das 9h às 21h; e sábados, domingos e feriados das 10h às 18h.

O visitante pode utilizar o estacionamento da Universidade, mediante o pagamento de uma taxa.

Ingressos:

Geral: R$17,00
Promocional: R$13,50 - para crianças de 4 a 12 anos (de terça a sexta-feira) ou de 6 a 12 anos (sábados, domingos e feriados) , pessoas acima de 60 anos, estudantes, professores de qualquer Instituição e diplomados PUCRS (neste caso é preciso comprovar o vínculo).

Fonte:

Museu de Ciência e Tecnologia  PUCRS. Disponível em http://www.pucrs.br/mct/. Acessado em 05 maio 2014.

sábado, 3 de maio de 2014

Casa do Artesão - Porto Alegre - RS

O artesanato gaúcho ocupa posição de destaque no cenário brasileiro, seja pela originalidade de suas peças ou pela qualidade com que são produzidas. Historicamente, o extremo sul do país foi ocupado por diferentes etnias, com destaque  para os índios guaranis, colonizadores portugueses e espanhóis, bem como imigrantes alemães, italianos, poloneses, entre outros. Da fusão desta diversidade de culturas surgiu uma forma de expressão própria, genericamente conhecida como cultura gaúcha, mas que ainda guarda peculiaridades de seus povos de origem. Um exemplo disso é a produção têxtil, onde às técnicas fabris do tear manual foram se somando componentes estéticos europeus, resultando em peças únicas com padronagens muitas vezes europeias.

Bolicho do artesanato, com produtos típicos do Rio Grande do Sul.
Ciente do potencial econômico deste tipo de produção, o governo estadual mantém o Programa Gaúcho do Artesanato, que tem por missão incentivar a profissionalização dos trabalhadores que produzem artesanato e fomentar a atividade artesanal com políticas de formação, qualificação e orientação ao artesão. Faz parte do programa também o aprimoramento da qualidade do produto e a abertura de espaços para a comercialização da produção artesanal: as Casas do Artesão.

Estas casas estão espalhadas em diversas cidades do Rio Grande do Sul, sendo que em Porto Alegre há uma em pleno centro da cidade. É um espaço privilegiado para o artesão expor seu produto e para o turista representa a oportunidade de acesso a uma ampla variedade de produtos de qualidade, reunidos num só local e com preços mais atraentes pela ausência dos atravessadores. Além disso, o atendimento é feito pelos próprios produtores que estão a disposição para interagir e comentar sobre as técnicas por eles empregadas.

Bonecas temáticas, representando prendas e gaúchos.

Salão da Casa do Artesão em Porto Alegre.

A Casa do Artesão de Porto Alegre fica na Av. Júlio de Castilhos, 144, tem acesso fácil por transporte público e funciona de segunda a sexta em horário comercial.

Fonte:
Programa Gaúcho do Artesanato - PGA. Disponível em http://www.stds.rs.gov.br/conteudo.php?cod_menu=104. Acessado em 03 maio 2014.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Um Dia Qualquer


Às vezes não reparamos em como “um dia qualquer” pode significar muita coisa na nossa existência.
Assim, sempre que não temos um destino certo, saímos por aí gastando sola a procura de algo, como se fossemos fazer uma grande descoberta, e até que conseguimos com sorte!

Praia do Flamengo


Porém, em alguns dias como este, apenas sentamos e apreciamos o que está ao alcance dos olhos e bem ao nosso lado, como uma tarde pertinho de onde moramos.


Um passeio de barco ao entardecer, vale!


Viajar é sempre bom


Isso vale como uma dica, como um exercício ou até mesmo um mantra. Pare, em um dia qualquer e ouça, veja o que está ao seu redor.

Você pode se surpreender com coisas que lhe parecem comuns, mas vistas com a calma na alma se tornam grandiosas e você percebe que todos os dias são diferentes sim, podendo se tornar ”aquele” um dia qualquer!


A natureza sempre nos surpreende


Um anoitecer cercado de amigos é um diferencial