sábado, 25 de novembro de 2017

Gastronomia baiana - muito além do acarajé - Salvador - Ba

Uma das melhores coisas de viajar é ter a oportunidade de conhecer lugares, fazer amigos e descobrir novos sabores. Por isso, sempre que saímos a gastar sola por aí, fazemos questão de experimentar aquilo que o local tem a oferecer, mesmo que as vezes pareça estranho ou esquisito.

Curtimos muitos momentos sensacionais na Bahia - boa parte deles em volta de uma mesa - e esperamos que nossos leitores possam ter também experiências tão boas e divertidas como as que tivemos. Essa pequena lista reúne lugares que ficaram em nossa memória afetivo-gastronômica e está longe de ser exaustiva, tendo em vista a grande variedade de bares, restaurantes e barracas existentes em Salvador.

Salvador


Restaurante Escola do SENAC - a opção perfeita para quem quer conhecer os diferentes sabores da típica culinária baiana num só lugar. Sabendo disso por já ter gasto sola por essas bandas algumas vezes, essa foi a nossa escolha para o primeiro almoço em terra de Jorge Amado. Além da extensa variedade de seu buffet (40 pratos, mais 12 sobremesas), o restaurante se destaca pela qualidade de seu atendimento - detalhe: os alunos vestem trajes típicos da época do Brasil Colônia -  e por suas instalações. Os clientes são servidos num amplo salão no segundo andar de um casarão localizado num dos pontos turísticos mais visitados de Salvador, o Largo do Pelourinho. Aqui um almoço para duas pessoas com duas caipirinhas, refrigerante e água mineral saiu por R$ 135,00.

D. Renata degustando um efó no Restaurante do SENAC

Soho - para encerrar o primeiro dia, jantar com amigos na marina, com vista privilegiada da Baia de Todos os Santos e, graças ao piso de vidro, do ambiente marinho abaixo de nós. Aqui a especialidade é comida japonesa num ambiente sofisticado. As porções estão longe se serem generosas e o preço está acima da média, mas é perfeito para quem gosta de desfrutar de uma boa refeição com charme e elegância. Destaque para os Mojitos, que estavam sensacionais!

Paranauê - apesar do nome lembrar a Capoeira, esse simpático restaurante oferece opções bem variadas de pratos quentes e frios, inclusive de comida típica baiana. Buffet livre no almoço (R$ 23,99 na ocasião). Tem a vantagem de ser muito acessível para quem está fazendo o circuito dos fortes da barra, pois está próximo do Farol e do Forte de Santa Maria. Endereço: Av. 7 de Setembro, 4191, Barra.

Abará da Vovó - quem deseja provar o autêntico sabor do mais famoso mata-fome baiano precisa dar umas dentadas no acarajé preparado pelo Ulysses, esse simpático senhor que fica pilotando o fogão e atendendo aos clientes ao mesmo tempo. O menu é bem variado e inclui tanto petiscos quanto refeições, como carneiro ensopado e xinxim de galinha. O estabelecimento é pequeno, mas aconchegante, com mesinhas na calçada para acomodar os fregueses. Fica próximo ao Centro Histórico e foi uma delícia ficar por ali, jogando conversa fora e degustando uma cervejinha bem gelada. Fica na Rua Direita de Santo Antônio, 18, próximo à Cruz do Pascoal.

Rua do Carmo

Cadê Q'Chama? - a mais legítima comida caseira que provamos em Salvador. Talvez porque preparada pela mãe do Alex, o rapaz que nos atendia tanto para o almoço como para o jantar. Diga-se de passagem que ela é uma cozinheira de mão cheia. Os pratos são bem servidos, deliciosos, bem temperados, mas sem exageros. Ambiente simples, próprio para quem gosta de desfrutar de uma boa refeição sem muita frescura. Destaque para o sanduba Bodeado, que é feito com uma calabresa de bode que deixou saudades. Fica na rua do Carmo 21, também próximo à Cruz do Pascoal. E antes que alguém pergunte: o nome é uma referência a uma expressão típica da Bahia. Quando alguém faz uma festa ou um programa legal aquele que ficou de fora lasca um cadê que chama? a guiza de porque não me chamou?!.

A Cubana - era um dia quente e subíamos uma das ladeiras do Pelourinho quando paramos em frente a uma sorveteria. Ficamos naquele entra-não-entra, será que é bom? quando um senhor parado na soleira da porta, vendo nossa indecisão falou:
- Aqui se serve o melhor sorvete de Salvador!
Depois dessa provocação é claro que entramos para conferir e foi assim que conhecemos a mais tradicional sorveteria soteropolitana que, curiosamente, foi fundada por um imigrante espanhol! No Elevador Lacerda há outra loja com a mesma qualidade, mas com uma vista bem melhor. A dica é aproveitar o final da tarde, apreciando o por-do-sol.

Kimukeka - Sem dúvida um dos melhores restaurantes de comida baiana de Salvador. Há diversas unidades espalhadas por diferentes pontos da cidade. Estivemos no que fica no Jardim Armação em duas ocasiões: num domingo para almoço com amigos e uma parada rápida para uma casquinha de camarão com cerveja. Apesar de muito procurado aos finais de semana - prepare-se para aguardar numa fila - sempre fomos muito bem atendidos. As moquecas são primorosas, bem preparadas e servidas em porções generosas. Fica na Av. Octávio Mangabeira, 136 - Jardim Armação.

A Porteira - comida típica nordestina com forte influência das tradições sertanejas. Depois de experimentar tanto peixe e moqueca em nossas andanças pela Bahia, resolvemos variar um pouco. Por isso, aproveitei para matar a saudade de uma carne de fumeiro, que veio de acordo com as minhas melhores lembranças. Quem conhece sabe como é bom e quem ainda não provou não sabe o quê está perdendo!

Itaparica


Chegar ao restaurante faz parte da diversão

Manguezal - estivemos aqui quando fizemos o passeio de escuna pela baía, pois é o ponto de parada para almoço oferecido pela operadora turística. Fica na Ilha de Itaparica e é muito simpático. A emoção fica por conta do desembarque / embarque, que é feito em botes, uma vez que não há trapiche por aqui. Comida baiana típica combinada com o trivial variado servido no estilo self-service. Ambiente agradável, entre a praia e o mangue, com redes a disposição dos clientes. R$ 99,00 para duas pessoas, incluindo cerveja e refrigerante.

Praia de Guarajuba


A mariscada do Seu Camilo

Barraca do Camilo - no dia em que fizemos o passeio à Praia do Forte almoçamos em Guarajuba por indicação do motorista que havíamos contratado. A praia em si é um espetáculo, com mar tranquilo, água limpa e coqueiros por toda a orla. Coisa de cinema. Isso sem falar que nesse dia havia poucas pessoas na praia e reinava a maior tranquilidade. Na hora de fazer o pedido ficamos em dúvida sobre o quê seria melhor. Nisso o rapaz que estava nos atendendo sugeriu que pedíssemos a mariscada, explicando que era um bom prato, bem servido, com muita variedade, etc. Achei meio estranho, pois mariscada para mim é um prato feito apenas com ... mariscos! Ledo engano. Veio de tudo: lagosta - enorme - camarão, polvo, peixe frito, pitú mais acompanhamentos: arroz, farofa, vinagrete e pirão, tudo preparado com muito capricho. Serve três pessoas tranquilamente. Incluindo as bebidas a conta ficou em R$ 163,00.

Veja essas e outras imagens de Salvador em nosso perfil no Instagram (clique aqui).