terça-feira, 2 de julho de 2019

Rio das Flores - RJ

Era o feriadão de Corpus Christi e não havíamos feito planos de sair, só que lá pelas tantas bateu aquela vontade de dar uma voltinha e foi aquele tal de "mas pra onde?", "será que tem vaga?" e o principal "mas o quê tem pra fazer lá?"!!

Foi assim que de uma hora para outra estávamos na estrada rumo a Rio das Flores. Não sei se essa escolha se deu por acaso ou obra divina, mas não podia ter sido melhor.

Saímos numa sexta bem cedinho da cidade do Rio de Janeiro e optamos por utilizar a BR-116. A estrada está em boas condições e paga-se apenas um pedágio (R$ 15,20), entretanto ao passar por Barra do Piraí é necessário entrar na cidade e acabamos por ficar presos num engarrafamento que nos tomou um bom tempo.

Ao final da viagem decidimos visitar a localidade de Três Ilhas em Minas Gerais e, por isso, para retornar ao Rio tomamos a RJ-040. A estrada está em condições sofríveis em vários pontos, com buracos e irregularidades na pista. Além disso, nesse trajeto passamos por dois pedágios (R$ 11,60 cada).

Um pouco de história


De acordo com o site da Prefeitura de Rio das Flores o povoamento da região intensificou-se devido ao ciclo do café - existem em torno de 40 fazendas históricas no entorno! Em 1851 foi erigida a capela dedicada a Santa Teresa, instituindo a Freguesia de Santa Teresa de Valença, então distrito de Marquês de Valença. A prosperidade adquirida com o cultivo do café foi decisiva para o desenvolvimento do povoado. Em 1882 foi inaugurada a estação da Estrada de Ferro Rio das Flores, e em 1890, emancipou-se do município de Valença, tornando-se Vila de Santa Teresa. Devido à Lei Áurea e à crise econômica do primeiro ciclo cafeicultor, a cidade foi entrando em declínio, sofrendo acentuado êxodo e gradual câmbio do foco produtor para o setor pastoril. Em 1929, a vila foi elevada à condição de cidade, e em 1943 passou a se chamar cidade de Rio das Flores. Atualmente tem sua economia baseada na agropecuária e no turismo.

Mas porque Rio das Flores? De acordo com a Sra. Margareth, proprietária da pousada Vila Flor, onde ficamos hospedados, até o início do século passado as margens do rio eram cobertas por Lírios do Campo, criando uma paisagem realmente encantadora. Infelizmente, hoje essa caraterística se perdeu e ficou apenas a referência no nome da cidade.

Dando umas voltinhas


Uma vez instalados na pousada e com algum tempo de sobra antes do almoço,  saímos para conhecer o centro de Rio das Flores, que, embora não seja muito grande, reúne tudo do que se precisa ao alcance de alguns poucos passos. Chamou nossa atenção o aspecto geral de organização e limpeza da cidade. Para quem como nós está acostumados a conviver com o caos diário do Rio de Janeiro, poder desfrutar dessa sensação de tranquilidade é um grande privilégio.

O primeiro ponto de parada foi a igreja matriz, dedicada à Santa Teresa D´Ávila. Aqui foram batizados Santos Dumont e sua irmã. Infelizmente estava fechada e só pudemos observá-la por fora.

Igreja Matriz de Rio das Flores.

Em compensação, atrás dela havia outro local que aproveitamos para conhecer: o Cemitério!

Cemitério de Rio das Flores - aqui repousam os restos dos antigos barões da região.

Tendo em vista o poderio econômico dos barões durante a época áurea do café era de se esperar que houvessem belos exemplares de arte tumular. Infelizmente encontramos bem poucos e um tanto deteriorados.

Veja mais imagens de nossa visita à Rio das Flores no álbum do Facebook e no nosso perfil no Instagram.

Hora do almoço


Chegamos próximo da hora do almoço já sabendo que a partir das 12:30h a Fazenda Santo Inácio abre seus portões para receber os visitantes com uma comidinha caseira feita com produtos da região num fogão a lenha.

Fomos recebidos pelo Sr. Celso, dono da fazenda e por sua filha Ana Célia - que é quem faz as honras da casa. Logo logo o papo estava engatado e aproveitamos para conhecer um pouco da história do lugar. Ao final, combinamos até um churrasco de costela na vala, a ser providenciado na nossa próxima visita.

D. Cida e a vaca atolada - entre outros pratos.

Sede da Fazenda Santo Inácio.

Um dos moradores de quatro patas da fazenda.

O valor é de R$ 45,00 por pessoa, sendo que o vivente pode fartar-se a vontade! Cada um pega o seu prato e vai até a cozinha, numa informalidade gostosa que torna a experiência ainda mais gratificante.

As cozinheiras são Cida e Regina e neste dia elas prepararam uma vaca atolada que estava uma delícia. Eu mesmo devo ter desatolado umas duas ... Também tinha arroz, feijão, angu, purê de abóbora, leitão assado, quiabo, espinafre, macarrão, saladas diversas e sobremesas. Isso sem contar o cafezinho.

Também é preciso dizer que o doce de mamão e o queijo de minas ganharam o coração da D. Renata, nossa especialista em questões culinárias.

Depois de saciada a fome, hora de dar umas voltas pelo terreiro para fazer a digestão e desfrutar da tranquilidade do campo e, obviamente, tirar fotos da bicharada que anda solta pelo quintal.

Depois do almoço na fazenda, pegamos o carro e seguimos em busca de outra especialidade da roça: a cachaça. Seguindo as orientações do Sr. Celso nos dirigimos ao Alambique Vieira  & Castro, o qual é bem fácil de encontrar por encontrar-se numa das glebas da Fazenda União.

Sra. Aline e D. Renata conferindo a origem da letra da música "pinga ni mim".

Fomos recebidos pela Sra. Aline, uma das proprietárias do alambique e especialista de primeira quando o assunto é água que passarinho não bebe. Segundo ela, a empresa tem uma preocupação muito grande com a sustentabilidade e o controle de qualidade no processo de fabricação da cachaça. Tudo começa com o cultivo próprio da cana na propriedade. A partir da colheita, todo subproduto é aproveitado de uma forma ou de outra de modo a causar o menor impacto possível no meio ambiente.

Mostrador de um dos tanques de destilação.

Como a visita foi feita na época da entre-safra os equipamentos estavam desligados para manutenção. Felizmente havia estoque suficiente da mercadoria e pudemos trazer alguns litros de recordações etílicas dessa viagem...

Hora da janta


A cidade conta com uma boa infraestrutura de bares e restaurantes, só que naquela noite haveria um show e as casas não estavam servindo refeições - não me perguntem o que uma coisa tem a ver com a outra! Então perguntamos a um dos rapazes se haveria alguma outra opção e nos indicaram o Restaurante da Paulinha. Como ali tudo é perto fomos andando até encontrar uma casa simples, com mesinhas na calçada e onde foi servida a pizza mais bem recheada que experimentei até hoje. Também servem pastéis, petiscos e lanches - entre outras coisas. Ao olhar o cardápio chamou nossa atenção a pizza sabor X-Tudo. Para garantir pedimos meio-a-meio com portuguesa. Tenham a certeza de que o produto faz jus ao nome, pois realmente veio de tudo e mais um pouco naquela pizza!!

Também foi legal passar um tempo ali porque é um ponto de encontro dos habitantes da cidade e pudemos compartilhar com eles aqueles momentos de descontração.

A pizza com tudo dentro, mais refrigerante saiu por módicos R$ 32,00.

Artesanato é o maior barato


Uma das dicas que o pessoal da cidade nos deu foi conhecer a Associação dos Artesãos de Manuel Duarte e Porto das Flores, popularmente conhecido como Florart.

A sede da associação fica às margens da RJ-145 e é bem fácil de achar, pois ocupa uma ampla área numa antiga estação ferroviária.

A loja é muito bem organizada e alí é possível encontrar o resultado do trabalho de mais de 60 artesãos e artistas populares. São peças feitas com diversas técnicas, tais como cerâmica, tecelagem manual, marcenaria e a especialidade da casa: trançados em taboa - folha com a qual são feitos cestos e outros itens de decoração.

D. Linéia e D. Renata trocando idéias sobre decoração.

Bruxinhas de cerâmica, trabalho de artesão local.

Pousada Vila Flor


Está localizada bem em frente da praça principal, no coração da cidade. Originalmente era uma residência que a Sra. Margareth decidiu transformar em pousada. O quarto em que ficamos não era muito grande, mas atendeu as nossas necessidades de espaço. Cama confortável, banheiro espaçoso, com chuveiro elétrico. As instalações são novas e em boas condições. Embora houvesse um reforçador de sinal no quarto a qualidade do wi-fi deixou um pouco a desejar. A conexão funcionava melhor na área onde é servido o café da manhã.

O atendimento foi nota dez pela simpatia e atenção com os quais a Sra. Margareth nos recebeu, bem como pelas dicas sobre a cidade e sua história.

Estabelecimentos citados nesse artigo


Alambique Vieria & Castro
Estrada Fazenda União, 4477
Telefone: 24 99939-0714
Contato: Sra. Aline

Fazenda Santo Inácio
Rua Professora Enaura Reis Valle, s/n - a entrada fica ao lado do portal da cidade
Telefone: (24) 2458-1996
Aberto aos domingos a partir das 12:30h - de segunda a sábado é preciso agendar
Contato direto com os proprietários, Sr. Celso e sua filha Ana Célia

Florart
Rua Major Belford, s/n - Manuel Duarte
Telefone: (24) 2458-0190
Contato com Sra. Linéia

Pousada Vila Flor
Praça Cel. Sucena, 40
Centro
Telefone: (24) 2458-1114
Contato direto com a proprietária, a Sra. Margareth

Restaurante da Paulinha
Rua Santa Teresa D'Ávila, 70
Telefone: 24 24581000 - faz tele entrega

Um comentário:

  1. Então vocês descobriram esta joia que é Rio das Flores? Eu descobri há alguns anos, atraída pelo nome sedutor, e hoje já tenho encaminhados planos para trocar de Rio: o de Janeiro pelo das Flores. A Florart é parada obrigatória, seja pelos produtos, seja pela simpatia do atendimento. Além desses pontos que vcs mencionaram (com observações pertinentes,inclusive sobre o cemitério), indico a Pizzaria Limanov, na rua da Prefeitura (R.Leoni Ramos, 460). O trânsito mal ordenado em Barra do Piraí realmente atrasa (e tira um pouco a paciência) a viagem. Numa próxima ida para aquelas bandas, recomendo esticar até São José das Três Ilhas, já do outro lado da fronteira (MG). Escrevi um pouco sobre minhas descobertas no blog. Abraços.

    ResponderExcluir