quinta-feira, 25 de agosto de 2016

De volta à Terra da Seresta - Conservatória - RJ

Estivemos em Conservatória pela primeira vez em 2013 e ficamos encantados com a atmosfera interiorana deste pequeno distrito de Valença. Nessa ocasião, ainda pudemos acompanhar um grupo de seresteiros que saiu em caminhada noite adentro tocando, cantando, se divertindo e fazendo a alegria de todos que se reuniam a eles atendendo ao convite irrecusável das violas.

Antiga estação ferroviária, hoje rodoviária de Conservatória

Aproveitando o evento Encontro Conservatória, promovido pelo Projeto Fotografando Pelo Rio. voltamos à Terra da Seresta nos dias 30 e 31 de julho deste ano. O lugar em si até não mudou muito, mas ficamos com a impressão que o sucesso e a fama acarretaram um fluxo excessivo de turistas para um lugar que já não comporta mais tanta gente. Nas duas ruas principais do centro as residências foram convertidas em pontos de comércio e por vezes fica até difícil caminhar por ali devido ao aglomerado de pessoas.

O que não significa que Conservatória perdeu seus encantos. Sabendo olhar, percebe-se que o estilo de vida rural ainda está presente no dia-a-dia de muitos de seus moradores. Hábitos há muito esquecidos nas grandes cidades, como sentar na calçada para apreciar o movimento, chamar pelo nome seus vizinhos ou dar aquele dedo de prosa com os passantes, continuam ativos por aqui.

Apesar do crescimento, ainda há espaço para um dedo de prosa

Outro ponto que continua a chamar a atenção é a arquitetura, principalmente no que diz respeito as famosas janelas de Conservatória. Estes adornos ricamente elaborados já foram sinal de prosperidade de seus proprietários e dificilmente podem ser encontrados em outro local. Para quem curte, é um prato cheio.

As janelas são um bom motivo para visitar a região

E por falar em obras de arte em madeira, é aqui em Conservatória que a artista Cristina Painhas mantém seu ateliê Arte em Oratórios. Das mãos mágicas de Cristina saem capelinhas, presépios e oratórios que chamam a atenção tanto pela beleza quanto pela singelesa das cores e formas. São itens totalmente artesanais e exclusivos, coisa rara de se encontrar nestes tempos de artesanato feito em série.

E se depois de gastar sola curtindo as belezas da cidadezinha bater aquela fome recomendamos o Restaurante Boemia, onde D. Tânia e família oferecem um buffet de comida caseira temperada com muita simpatia.

Confira estas e outras imagens nos perfis do GSMA nas redes sociais:
Facebook: álbum Gastando Sola na Terra da Seresta;
Instagram: utilize a hashtag #gsmaconservatoria.
A seguir separamos algumas das principais atrações oferecidas aos visitantes em Conservatória.

Cachoeira da Índia


Apesar de ser um dos pontos turísticos mais visitados de Conservatória, poucos sabem que a misteriosa figura que dá nome ao local tem nome e se chama Araris. Depois da primeira viagem nossa equipe foi atrás desta história e contou tudo num post exclusivo sobre ela (leia clicando aqui!).

Araris, a bela e enigmática figura que todos conhecem por Índia da Cachoeira

A estátua fica no Balneário Municipal João Raposo, distante uns dois quilômetros do centro de Conservatória. O entorno foi revitalizado e agora conta com um quiosque que oferece bebidas geladas e refeições - comida mineira feita em fogão à lenha.

Balneário conta com boa infraestrutura

Quem gosta de caminhar pode ir a pé, pois o caminho é bem tranquilo e não há como se perder. E aqueles que preferirem ir de carro poderão estacionar sem custo dentro do balneário.

Cachaçaria Vilarejo


E por falar em cachoeira, bem pertinho dali há uma outra atração que certamente vai interessar os que preferem a água que passarinho não bebe: a Cachaçaria Vilarejo.

 Além da marvada propriamente dita o visitante pode degustar várias outras especialidades da casa, como licores e rapaduras, por exemplo. A loja é bem organizada e os atendentes atenciosos.


Tonéis onde a cachaça é envelhecida

A adega onde é envelhecida a cachaça, muito boa por sinal, também é aberta a visitação. Entretanto não é recomendável para quem sofre de alergias devido a alta umidade do local.

O Túnel Que Chora


Segundo contam os antigos, em tempos idos a água vertia em tal quantidade que alagava a passagem. Hoje em dia um fraco gotejamento forma algumas poças pelo chão. O interessante é que isso parece não incomodar os visitantes que se divertem em cruzar o túnel de um lado ao outro.

O túnel foi escavado por escravos

Ao visitar esta atração fique atento! Embora seja uma atividade para pedestres o fluxo de veículos é grande e há pouco espaço no interior do túnel.

Serra da Beleza


Fica um pouco distante do centro e é preciso ir de carro até o mirante localizado nas margens da rodovia, mas podemos garantir que vale a pena a viagem. A serra por si só justifica seu nome e a fama de seu por de sol não fica atrás. Diariamente diversos espectadores se reúnem para apreciar esse belo espetáculo da natureza.

Pôr do sol na Serra da Beleza, uma atração que vale a pena

E se você é daqueles que acredita que a verdade está lá fora talvez seja o caso de estender um pouco mais a visita. A Serra da Beleza também é internacionalmente conhecida por ser um ponto de avistamento de OVNI´s.