quarta-feira, 4 de maio de 2016

Trilha Alternativa Salkantay : faltam 30 dias - Machu Picchu - Peru

Em 2014 o Gastando Sola Mundo Afora foi ao Peru para realizar um velho sonho: percorrer a Trilha Inca e visitar Machu Picchu. Seguir por aqueles velhos caminhos, serpenteando montanhas e sendo presenteado com paisagens de tirar o fôlego, foi uma experiência tão marcante que, uma vez concluída, a vontade era retornar ao início e começar tudo de novo.

Trecho da Trilha Inca

Demorou um pouco, mas finalmente vamos gastar sola nos caminhos incas novamente!! No próximo dia 04 de junho estaremos de volta à Cuzco para uma nova aventura, onde o destino é o mesmo - Machu Picchu -, mas o caminho é a Trilha Alternativa Salkantay. Diferentemente da Trilha Inca, que fica dentro de uma área protegida, a Trilha Salkantay é uma rota viva, utilizada até hoje pelos habitantes da região em seus deslocamentos e, por isso mesmo, não é necessário autorização especial para percorre-la. Serão quatro dias de caminhada, durante os quais realizaremos um trajeto que inclui a travessia do monte Salkantay, daí o nome da trilha. O ponto alto do percurso, literalmente, é a passagem desta montanha a 4.600m acima do nível do mar. Quem se atreve a encarar este desafio precisa estar preparado física e psicologicamente para longas caminhadas em locais de difícil acesso, onde o soroche (o mal da altitude) pode atacar a qualquer momento devido ao ar rarefeito. Em compensação, o viajante irá desfrutar de paisagens tão belas quanto variadas, que vão desde os picos nevados da Cordilheira dos Andes a trechos de floresta na parte baixa.

Detalhe da cidade de Machu Picchu

Preparando a mochila


Tendo em vista as particularidades da empreitada os preparativos já vem sendo feitos há bastante tempo. Isso inclui aquisição de equipamentos próprios para as condições climáticas e de terreno, bem como a adaptação da forma de transportar o equipamento fotográfico - fundamental para que possamos registrar com segurança todos os momentos desta aventura! Além disso, muita pesquisa para saber o quê vamos enfrentar e treinamento físico para aprimorar o condicionamento.

No decorrer desta fase preparatória nos deparamos com alguns depoimentos de pessoas despreparadas, que não faziam ideia de como era o lugar para o qual estavam indo. São registros curiosos, feitos por viajantes que, provavelmente, imaginaram que se tratava de mais um passeio turístico e não correram atrás de maiores informações. Por isso, ao retornar, vamos publicar uma matéria especial sobre como foram os preparativos e o quê consideramos fundamental para o sucesso da missão. Falaremos também sobre o quê funcionou bem e o quê poderia ter sido melhor.

No mais, só nos resta segurar a ansiedade, seguir com os preparativos e aguardar a data do embarque.
Salkantay está lá, esperando por nós!!

Para saber como foi a primeira viagem do GSMA ao Peru:

segunda-feira, 28 de março de 2016

Blogagem Coletiva #MuseumWeek 2016 - Museo Chileno de Arte Precolombino - Santiago - Chile

Uma das coisas boas de participar de um grupo como a Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem - RBBV é poder participar de ações coletivas, onde a colaboração entre os participantes traz benefícios tanto para os blogueiros quanto para seus leitores. Desta forma, assim que foi aberto o convite para participar da blogagem coletiva referente a #MuseumWeek 2016, o GSMA aderiu imediatamente e esperamos colaborar a altura dos membros mais antigos - afinal, esta é a primeira vez que participamos de um evento deste tipo!

Mas afinal, o quê vem a ser uma blogagem coletiva? É uma ação que consiste em reunir um grupo de blogueiros para escrever sobre um único tema e publicar os posts no mesmo dia e horário. Além de ser uma iniciativa destinada a destacar o tópico escolhido, serve também como forma de reunir a comunidade num esforço comum e oferecer ao público diferentes abordagens, enriquecendo o debate.

O tema desta blogagem é a #MuseumWeek 2016, uma iniciativa que nasceu na França e se espalhou pelo mundo e é considerada o primeiro evento cultural internacional no Twitter! Neste ano a semana dos museus será de 28 de março a 3 de abril e neste período instituições culturais de diversos países irão celebrar a cultura com ações planejadas de modo a incentivar o público a participar de atividades promovidas pelos participantes. Como forma de apoiar esta ação, cada blogueiro escolheu um museu e criou um post especial sobre ele - o qual está sendo publicado simultaneamente hoje, primeiro dia da #MuseumWeek 2016! No final deste post você encontra a relação de blogs participantes.

Museo Chileno de Arte Precolombino


Durante nossa estada em Santiago do Chile no ano passado tivemos a oportunidade de visitar o Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana, sem dúvida um dos mais belos e bem organizados entre os que conhecemos. Gostamos tanto que decidimos dedicar a ele nosso post nesta blogagem coletiva.

Seu acervo é riquíssimo e as coleções estão organizadas didaticamente de modo a permitir uma visita auto-guiada sem maiores problemas. Além disso, no site do museu estão disponíveis todas as informações necessárias para usufruir ao máximo desta experiência.

Chamán, ídolo que recepciona os visitantes no salão principal do museu.

Logo na entrada nos deparamos com Chamán, uma imponente estátua de pedra oriunda do sul da atual Colômbia, local onde - no passado - se desenvolveu um dos mais importantes centros cerimoniais da América Latina. Sua majestosa presença não está ali por acaso. Ele marca o início da exposição permanente de peças emblemáticas, consideradas verdadeiras obras-primas da arte pré-colombiana.

A Sala Escondida


Atentos ao silencioso convite de nosso amigo de pedra, declinamos momentaneamente para começarmos do início, com uma visita à Sala Minera Escondida. Localizada no sub-solo, nesta sala encontra-se a exposição permanente Chile Antes de Chile, onde estão reunidas peças oriundas de diversas culturas ancestrais da América do Sul que recontam uma história que começou há mais de 14.000 anos com a chegada dos primeiros habitantes ao que é hoje o território chileno.

A Sala Minera é fácil de achar e revela tesouros da pré-história sul-americana.

Chapéus e gorros eram utilizados
 como marca de identidade.

Múmia de criança. Há várias em exposição.














Prepare-se para mergulhar no cotidiano de pessoas que viveram há milhares de anos atrás e que, como nós, tinham suas vaidades, crenças e costumes. Alguns podem parecer muito estranhos atualmente, mas é preciso levar em consideração o contexto em que estes antigos habitantes viviam. Chamou nossa atenção a quantidade de múmias de crianças que estão expostas e, principalmente, o fato de que elas eram guardadas como amuletos, pois acreditavam que elas atraiam boa sorte.

Impressionante também é o conjunto de estátuas de madeira conhecidos como Chemamulles (ver abaixo). Pelo que se sabe, eram utilizados como marcos de sepulturas, de forma similar ao costume de ornamentar com esculturas os túmulos modernos.

Chemamulles: monumentos funerários do povo mapuche.


Almofariz de pedra de formato, no mínimo, curioso.

Quipu, instrumento utilizado pelos incas para comunicação.

A Sala Escondida foi sem a menor sombra de dúvida o ponto alto de nossa visita e recomendamos fortemente a todos que forem ao museu que não deixem de visitá-la.

Cerâmica como testemunha do passado


Outro ponto que merece destaque é a extensa coleção de cerâmicas, onde se pode ter uma noção da grande diversidade de povos e culturas que contribuíram para a formação da identidade latino-americana. As peças estão organizadas por etnia, dentro de uma linha de tempo, o que facilita a compreensão do período histórico ao qual o item se refere.

Vaso de cerâmica, utilizado para armazenar líquidos.
Um dado curioso sobre as vasilhas com rostos humanos: as faces não são aleatórias, mas sim representações de figuras proeminentes, heróis mitológicos, guerreiros e outros que de uma forma ou de outra mereciam ser lembrados por seus contemporâneos. Dessa forma, a cultura e a memória de cada povo era passada de geração em geração mesmo em atos cotidianos, como beber água.


Crianças sendo crianças! 

Enquanto perambulávamos entre os corredores envidraçados um grupo escolar surgiu do outro lado da vidraça e imediatamente esqueceram o propósito de sua visita para ficar fazendo poses para os "gringos fotógrafos". Crianças são crianças em qualquer parte do mundo ou ponto da história. Depois de alguns clicks nos despedimos daqueles alegres bagunceiros, antes que o professor resolvesse anotar seus nomes na caderneta da disciplina!!

Museo Chileno de Arte Precolombino

Endereço: Calle Bandera 361, Santiago, Chile - Para quem vai de metro é melhor utilizar a Linha 5 Verde e descer na estação Plaza de Armas;
Horário: de terça a domingo, das 10h00 às 18h00;
Ingresso: $ 4.500 (pesos chilenos), o equivalente a R$ 24,60 - entrada franca no primeiro domingo de cada mês;
Website: http://www.precolombino.cl/

Fontes


MUSEO Chileno de Arte Precolombino. Disponível em http://www.precolombino.cl/. Acessado em 18 mar. 2016.

#MUSEUMWEEK, 28 de março a 3 de abril de 2016 [programação]. Disponível em https://dl.dropboxusercontent.com/u/17565327/MuseumWeek2016-download/MuseumWeek2016officialhashtags-portuguese-brasil.pdf. Acessado em 18 mar. 2016.


0

Membros da RBBV participantes da blogagem coletiva #MuseumWeek 2016


Geral


Blog: A Fragata Surprise
Cidade: várias
Museu: museus-casa
Post: http://www.fragatasurprise.com/2016/03/museus-casas.html

Blog: Despachadas
Cidade: várias
Museu: museus interativos
Post: http://despachadas.com/museumweek-museus-interativos

Blog: D&D Mundo Afora
Cidade: São Paulo, Caruaru, Gramado, Canela, São João del Rei, Belo Horizonte, Espírito Santo e Rio de Janeiro
Museu: Museu do Mazzaropi, Museu do Forró Luiz Gonzaga, Museu do Barro, Dreamland - Museu de Cera, Mundo a Vapor, Museu Regional, Museu de Artes e Ofício, Museu da Vale e Museu Histórico do Exército
Post: http://www.dedmundoafora.com.br/2016/03/museum-week-9-museus-no-brasil-blogagem-coletiva-rbbv.html

Europa


Alemanha

Blog: Tá indo pra onde?
Cidade: Berlim
Museu: Ilha dos Museus
Post: http://www.taindopraonde.com.br/2016/03/blogagem-coletiva-museum-week-2016-ilha-museus-berlim-alemanha-museumsinsel.html

Blog: Viajoteca (Martinha)
Cidade: Berlim
Museu: 5 museus inusitados em Berlin
Post: https://viajoteca.com/museus-inusitados-em-berlin

Blog: Pelo Mundo Com Vc
Cidade: Berlim
Museu: Museu do Holocausto ou Memorial aos Judeus Mortos da Europa
Post: http://www.pelomundo.com.vc/memorial-do-holocausto-em-berlim-e-o-museum-week-pelo-mundo/

Blog: Já Fomos
Cidade: Dachau
Museu: Visitando o Campo de Concentração em Dachau - #museumweek
Post: http://www.jafomos.com.br/campo-de-concentracao-dachau

Blog: Pequenos pelo Mundo
País: Alemanha
Museu: Museus de Automóveis na Alemanha
Post: http://www.pequenospelomundo.com.br/2016/03/os-5-melhores-museus-de-automoveis-da-alemanha

Blog: A Li na Alemanha
Cidade: Stuttgart
Museu: Museu Mercedes-Benz
Post: http://www.descobrindoalemanha.com/2016/03/mercedes-benz-museu-stuttgart.html

Bulgária

Blog: Escolho Viajar
Cidade: Sofia
Museu: Museu Nacional de História Militar
Post: http://www.escolhoviajar.com/museum-week-museu-nacional-de-historia-militar-de-sofia-bulgaria/

Espanha

Blog: Comendo Chucrute e Salsicha
Cidade: Sevilha
Museu: Museo de Artes y Costumbres Populares de Sevilla
Post: http://www.comendochucruteesalsicha.com.br/museu-de-artes-e-costumes-populares-de-sevilha/

Blog: Esto Es Madrid, Madrid
Cidade: Santillana del Mar
Museu: Museo de Altamira
Post: http://www.estoesmadridmadrid.com/2016/03/28/museu-de-altamira

Blog: Sol de Barcelona
Cidade: Barcelona
Museu: Fundación Joan Mirò
Post: http://www.soldebarcelona.es/museo-joan-miro/

França

Blog: Viagem LadoB
Cidade: Paris
Museu: Museé D'Orsay
Post: http://viagemladob.com/museu-dorsay-em-paris-o-que-ver/

Blog: A Path to Somewhere
Cidade: Paris
Museu: Centre Pompidou
Post: http://www.apathtosomewhere.com/centre-pompidou-paris/

Blog: Destinos por onde andei...
Cidade: Paris
Museu: Louvre
Post: http://www.destinosporondeandei.com.br/2016/03/louvre-o-museu-mais-visitado-do-mundo.html

Blog: Direto de Paris
Cidade: Meudon
Museu: Musée Rodin
Post: http://diretodeparis.com/o-outro-museu-rodin/

Blog: SOSViagem
Cidade: Paris
Museu: Museu do Louvre X Museu d'Orsay
Post: http://www.sosviagem.com.br/roteiros/atracoes/museu-louvre-x-orsay/

Blog: Apure Guria
Cidade: Paris
Museu: Antigo Egito no Museu do Louvre: incrível!
Post: http://apureguria.com/europa/antigo-egito-no-museu-do-louvre

Grécia

Blog: Viaje Sim!
Cidade: Ilha de Delos
Museu: Museu Arqueológico de Delos
Post: http://www.viajesim.com/2016/03/grecia-ciclades-delos-museu-arqueologico.html
Link Permanente: http://wp.me/p3ljtS-35A

Blog: Fourtrip
Cidade: Atenas
Museus de Atenas
Post: http://www.fourtrip.com.br/2016/03/museus-de-atenas.html

Hungria

Blog: Juntando Mochilas
Cidade: Budapeste
Museu: Museu do Terror
Post: http://www.juntandomochilas.com/2016/03/Museu-do-terror-budapeste.html

Irlanda

Blog: The Life of isa
Cidade: Dublin
Museu: 4 museus gratuitos em Dublin
Link: http://www.thelifeofisa.com.br/2016/03/quatro-museus-gratuitos-em-dublin.html

Itália

Blog: Passeios na Toscana
Cidade: Florença
Museu: Palazzo Pitti
Link: http://passeiosnatoscana.com/2016/03/28/palazzo-pitti-tem-8-museus-que-vao-te-surpreender/

Blog: The Nat's Corner
Cidade: Milão
Museu: Pinacoteca de Brera
Link: http://www.thenatscorner.com/2016/03/um-tour-pela-pinacoteca-de-brera.html

Blog: Vou pra Roma
Cidade: Roma
Museu: Museus do Vaticano
Post: http://www.voupraroma.com/museus-do-vaticano-dicas-praticas-para-visitar/

Blog: Roma Pra Você
Cidade: Roma
Museu: Galleria Borghese
Post: http://www.romapravoce.com/a-galleria-borghese-e-a-suprema-contemplacao-da-beleza/

Blog: Grazie a Te
Cidade: Firenze
Museu: Corredor Vasariano
Post: http://grazieate.com.br/a-galeria-uffizi-e-o-corredor-vasariano/

Malta

Blog: Viagens Invisíveis
Cidade: Valeta
Museu: Palácio dos Grandes Mestres e Armaria
Post: http://www.viagensinvisiveis.com.br/2016/03/museus-dos-cavaleiros-malta.html

Reino Unido

Blog : No Mundo da Paula
Cidade : Londres
Museu : Museum of London
Post: http://nomundodapaula.com/2016/03/museum-of-london.html

Blog: Vamos Viajar
Cidade: Londres
Museu: British Museum
Post: http://www.vamosviajarbrasil.com.br/2016/03/blogagem-coletiva-museum-week-2016.html

Blog: Segredos de Londres
Cidade: Londres
Museu: Victoria and Albert Museum
Link: http://www.segredosdelondres.com.br/victoria-and-albert-museum-londres/

Blog: Mochilão Barato
Cidade: Londres
Museu: Madame Tussauds
Link: http://mochilaobarato.com.br/madame-tussauds-londres

República Tcheca

Blog: Trilhas e Cantos
Cidade: Praga
Museu: Museu do Comunismo
Link: http://www.trilhasecantos.com.br/2016/03/museu-comunismo-praga.html

Rússia

Blog:Love and Travel
Cidade : São Petersburgo
Museu : Hermitage Museum
Post: http://www.loveandtravel.com.br/2016/03/blogagem-coletiva-museumweek-2016-museu-hermitage.html

Blog: Viajei Bonito
Cidade: São Petersburgo
Museu: Museu da Vodka
Post: http://viajeibonito.com.br/o-que-esperar-do-museu-da-vodka-em-sao-petersburgo/

Suécia

Blog: Viajar pela Europa
Cidade: Estocolmo
Museu: Vasa Museum
Post: http://viajarpelaeuropa.eu/museu-vasa-de-estocolmo-no-museum-week-2016-rbbv

Suíça

Blog: Carta sem Portador
Cidade: Martigny
Post: http://www.cartasemportador.com/pt/fondation-gianadda-em-martigny-um-museu-cinco-colecoes/

Turquia

Blog: Viagem a Dois
Cidade: Istambul
Museu: Palácio Topkapi
Post: http://www.viagemadois.com/2016/03/palacio-topkapi-istambul.html

Blog: Travel with Pedro
Cidade: Istambul
Post: http://www.travelwithpedro.com/pt/museu-de-arte-islamica-e-turca-em-istambul/

América do Sul


Argentina

Blog: Sonhando em Viajar!
Cidade: Buenos Aires
Museu: Buque Museo Fragata A.R.A. “Presidente Sarmiento”.
Post: http://sonhandoemviajar.com/2016/03/28/buque-museo-fragata-a-r-a-presidente-sarmiento-buenos-aires-2/

Brasil

Blog: Coisos on the go
Cidade: Brumadinho/MG
Museu: Inhotim
Post: https://coisosonthego.com/museu-inhotim-arte-natureza

Blog: E aí, Férias!
Cidade: Petrópolis/RJ
Museu: Imperial
Post: http://www.eaiferias.com/2016/03/petropolis-museu-imperial.html

Blog: Outro blog
Cidade: Rio de Janeiro, RJ
Museu: Museu do Amanhã
Post: http://www.outroblog.com/2016/03/museu-do-amanha-rio-de-janeiro-brasil-museum-week.html

Blog: #KariDesbrava
Cidade: Rio de Janeiro
Museu: Museu Nacional de Belas Artes
Post: http://karidesbrava.com.br/2016/03/28/conhecendo-o-museu-de-belas-artes/

Blog: O Melhor Mês do Ano
Cidade: São Paulo
Museu: Museu do Futebol
Post: http://www.omelhormesdoano.com/museu-do-futebol-sao-paulo/

Blog: Cantinho de Ná
Cidade: Recife
Museu: Museu do Frevo
Post: http://cantinhodena.com.br/paco-do-frevo-espaco-exclusivo-dedicado-ao-ritmo-pernambucano/

Blog: De Cá Pra Lá
Cidade: São Paulo
Museu: Museu Palácio dos Bandeirantes
Post: http://decaprala.com/museu-de-arte-moderna/

Blog: Viagens que Sonhamos
Cidade: Porto Alegre
Museu: Fundação Iberê Camargo
Post: http://www.viagensquesonhamos.com.br/2016/03/ibere-camargo-museu-em-porto-alegre.html

Blog: Nativos do Mundo
Cidade: Rio de Janeiro
Museu: Museu da República
Post: http://www.nativosdomundo.com.br/2016/03/museu-da-republica-rio-de-janeiro.html

Blog: Atravessar Fronteiras
Cidade: Brasília
Museu: CCBB - DF
Post: http://www.atravessarfronteiras.com.br/2016/03/ccbb-brasilia-uniao-entre-cultura-e-bem-estar/

Blog: Embarque neste blog
Cidade: São Paulo
Museu: Museu Casa Guilherme de Almeida
Post: http://www.embarquenesteblog.com.br/2016/03/museum-week-casa-guilherme-almeida.html

Blog: Vida de Turista
Cidade: Porto Alegre - RS
Museu: Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS
Post: http://www.vidadeturista.com/atracoes/museu-de-ciencias-e-tecnologia-da-puc-rs.html

Blog: Mel a Mil pelo Mundo
Cidade: Porto Alegre - RS
Museu: Museu Julio de Castilhos
Post: http://www.melamilpelomundo.com/2016/03/museu-julio-de-castilhos.html

Blog: Devaneios de Biela
Cidade: Curitiba-PR
Museu: Museu Oscar Niemeyer (Museu do Olho)
Post: http://www.devaneiosdebiela.com.br/2016/03/curitiba-museu-olho-oscar-niemeyer.html

Blog: Tirando Férias
Cidade: São Paulo - SP
Museu: Museu de Zoologia da USP
Post: http://tirandoferias.com/2016/03/28/museu-de-zoologia-da-usp/

Blog: Viagem em Detalhes
Cidade: São Paulo
Museu: Museu Catavento - Espaço Cultural da Ciência
Post: http://www.viagememdetalhes.com.br/destinos/brasil/sao-paulo/museu-catavento-otimo-programa-com-criancas-em-sp/

Blog: Estrangeira
Cidade: Alcântara - MA
Museu: Museu Histórico de Alcântara
Post: http://www.estrangeira.com.br/museu-historico-alcantara-maranhao

Blog: Viajar hei
Cidade: Rio e São Paulo.
Museu: Os melhores museus para levar as crianças entre Rio e São Paulo.
Post: http://www.viajarhei.com//2016/03/os-melhores-museus-para-levar-as-criancas-entre-rio-e-sao-paulo.html

Chile

Blog: Gastando Sola Mundo Afora
Cidade: Santiago
Museu: Museo Chileno de Arte Precolombino
Post: http://www.abaretiba.blog.br/2016/03/museo-chileno-de-arte-precolombino.html

Peru

Blog: De Mochila e Caneca
Cidade:Lima
Museu: Museu da Inquisição
Post: http://www.demochilaecaneca.com.br/museu-da-inquisicao-de-lima/

América do Norte


Estados Unidos

Blog: Família Viagem
Cidade: Atlanta, Georgia (EUA)
Museu: Fernbank Museum of Natural History
Post: http://www.familiaviagem.com.br/2016/03/28/o-que-fazer-em-atlanta-fernbank-museum-of-natural-history/

Blog: Janela para o Mundo
Cidade: Memphis, Tennessee
Museu: Graceland
Post: http://www.janelaparaomundo.com/2016/03/28/graceland-a-casa-do-elvis/

Blog: RenataPereira.tv
Cidade: Austin, Texas
Museum: Bibliotecas e Museus presidenciais nos EUA, com foco para o Lyndon Johnson Presidential Library and Museum
Post: http://renatapereira.tv/PT/item/bibliotecas-presidenciais-eua-lyndon-johnson/

Blog: Aquele Lugar
Cidade: Washington D.C.
Museu: Museu do Ar e Espaço
Post: http://www.aquelelugar.com.br/museu-do-ar-e-espaco-washington/

Blog: Casal Califórnia
Cidade: San Diego
Museu: Museus no Balboa Park
Post: http://www.casalcalifornia.com.br/san-diego-museus-no-balboa-park

Blog: Malas e Panelas
Cidade: Los Angeles
Museu: The Broad Museum
Post: http://malasepanelas.com/los-angeles-the-broad-museum

Blog: Felipe, o pequeno viajante
Cidade: Anchorage, Alaska
Museu: Museu de Anchorage, Alaska
Post: http://www.felipeopequenoviajante.com/2016/03/museu-de-anchorage-no-alaska-estados-unidos.html

Blog: Ideias na mala
Cidade: San Francisco
Museu: Melhores Museus de San Francisco
Post: http://ideiasnamala.com/2016/03/28/museus-san-francisco/

México

Blog: Viagem de Fuga
Cidade: Cidade do México
Museu: Museu Frida Kahlo
Post: http://www.viagemdefuga.com.br/2016/03/museu-da-frida-kahlo-la-casa-azul.html

Blog: Uzi Por Aí
Cidade: Cidade do México
Museu: Museu Soumaya
Post: http://www.uziporai.com.br/2016/03/mexico-ciudad-de-mexico-df-museu-soumaya

Blog: EU SOU À TOA - dicas para viajantes independentes
Cidade: Cidade do México
Museus: Casa-museu de Frida Kahlo e Casa-estúdio de Diego Rivera
Post: http://eusouatoa.com/museus-de-frida-kahlo-e-diego-rivera

Asia


China

Blog: Like Wanderlust
Cidade: Xi'an
Museu: Museu Qin e os Guerreiros de Terracota
Post: http://likewanderlust.com/2016/03/28/museum-week-guerreiros-de-terracota/

Vietnã

Blog: Brazuka
Cidade: Cidade de Ho Chi Minh
Museu: Museu da Guerra (War Remnants Museum)
Post: http://brazuka.net/2016/03/28/museu-da-guerra-na-cidade-de-ho-chi-minh-no-vietna/

Japão

Blog: A Aventura Começa
Cidade: Inuyama
Museu: Meijimura
Post: http://aaventuracomeca.com/2016/03/29/blogagem-coletiva-rbbv-museum-week-meijimura/

segunda-feira, 7 de março de 2016

Museu do Meio Ambiente expõe obra rara de 1565 - Rio de Janeiro - RJ

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é amplamente conhecido como uma bela área de lazer, onde os visitantes podem desfrutar de bons momentos em contato com a natureza. Porém esta não é sua única, nem principal, finalidade. O Jardim Botânico tem como missão promover, realizar e difundir pesquisas científicas que tenham a flora como objeto de estudo, sendo reconhecido internacionalmente pela sua contribuição no mapeamento da biodiversidade brasileira.

Afinado com este propósito, o Museu do Meio Ambiente, órgão ligado diretamente à Presidência do Jardim Botânico, traz a público o livro De Materia Medica, tradução latina da obra do grego Dioscórides (40-90 dC), feita por Pietro Andrea Mattioli (1501-1577), botânico e médico renascentista. Devido a sua abrangência e qualidade técnica tornou-se referência para os que pesquisavam os benefícios medicinais das plantas, sendo consultado por muitos boticários, médicos e estudiosos da botânica.

A obra encontra-se em excelente estado de conservação
A exposição, sugestivamente chamada de A Natureza Impressa em Livro, faz referência ao aniversário da cidade ao escolher esta peça que contabiliza 450 anos de existência - mesma idade da cidade do Rio de Janeiro.

Folha de rosto da obra (reprodução de cartaz)

Além de sua importância do ponto de vista científico, este exemplar apresenta um magnífico trabalho tipográfico, bem como aproximadamente 900 gravuras aquareladas, em cores, de plantas, animais e minerais que eram utilizados para fins terapêuticos no século XVI.

Trecho exposto ao público, onde é possível constatar a qualidade tipográfica da obra

Sempre é bom lembrar que em 1565 - decorridos pouco mais de 100 anos da primeira edição da Bíblia de Gutemberg - a imprensa de tipos móveis ainda estava em seu início, o que ressalta o valor do trabalho primoroso realizado pelos tipógrafos da oficina de Vincenzo Val Grisi. Este conhecido impressor veneziano deixou para a posteridade características que são facilmente identificáveis neste exemplar, tais como o uso do itálico, tipos precisos, mancha de texto uniforme e graciosamente distribuída, bordas largas e numeração das páginas (recurso que veio a tornar-se comum bem mais tarde).

Outro detalhe que chama a atenção é a qualidade do papel. Mesmo após todo este tempo, mantém-se branco e flexível graças as técnicas de fabricação da época, quando o uso de trapos de tecidos e substâncias não agressivas resultavam numa pasta com pH neutro, impedindo assim a acidificação das folhas e sua consequente degradação.

A Natureza Impressa em Livro


Quando: de 1º de março de 2016 a meados de junho de 2016
Horário: de terça a domingo, das 9h às 17h
Local: Museu do Meio Ambiente – Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Endereço: Rua Jardim Botânico, 1008
Entrada franca!

Fontes


MUSEU DO MEIO AMBIENTE. Natureza Impressa em Livro.  Disponível em http://museudomeioambiente.jbrj.gov.br/noticia/natureza-impressa-em-livro. Acessado em 07 mar. 2016.

O CONCIERGE. Museu do Meio Ambiente mostra ao público livro raro de 1565. Disponível em http://www.oconciergepb.com.br/trade-news/museu-do-meio-ambiente-mostra-ao-publico-livro-raro-de-1565/. Acessado em 07 mar. 2016.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Causos de viagem : pegando água no rio! - Boane - Moçambique

Num destes raros dias de pouca atividade resolvi por ordem no arquivo de fotos e, para variar, apenas iniciada a tarefa, as imagens foram ativando recordações, que viraram histórias e lá se foi a tarde e a oportunidade de finalmente organizar alguma coisa!

Foi assim que acabei encontrando a foto abaixo, tirada em novembro de 2005 durante uma trilha realizada na região de Boane - um dos distritos de Maputo, a capital de Moçambique.

Abastecimento de água precário obriga população a captar água direto no rio.

Lembro que na ocasião fiquei impressionado com a natureza exuberante do lugar, pois Boane é cortada pelo rio Umbeluzi, e a presença constante de água garante o viço da vegetação e a presença de diversos animais. Este rio também é importante por ser a fonte de captação da água que abastece a cidade de Maputo.

Éramos um grupo de aproximadamente 30 pessoas e a ideia era realizar uma caminhada partindo da Estação de Tratamento de Águas, margeando o rio. Durante o percurso fomos avistando pequenos povoados, suas machambas (roçados) e alguns rebanhos de cabras, criação comum por aquelas bandas.

Lá pelas tantas alguém avistou hipopótamos na água e deu o alerta, uma vez que - para quem não sabe - hipopótamos são extremamente agressivos e são também a maior causa de morte em acidentes com animais selvagens na África. Redobrada a atenção, seguimos em frente até encontrarmos três garotas que iam ao rio buscar água. Por incrível que possa parecer, a população que vivia naquela área, muito próxima da estação de tratamento, não contava com água tratada e se abastecia diretamente no rio.

Neste dia estava acompanhado de uma moçambicana que imediatamente apressou o passo e foi ter com elas, preocupada com o perigo que representava a presença dos hipos no rio. Acompanhei o diálogo a distância, pois falavam num dos dialetos locais, e não conseguia entender patavina - entretanto, não pude deixar de notar a mudança de expressão no rosto da minha colega.

Assim que as meninas se afastaram perguntei o quê havia acontecido e minha amiga contou o seguinte:

- Disse a elas para terem cuidado porque havia hipopótamos na água e a mais velha respondeu que já sabiam disso.  Elas não tem medo dos hipos, porque elas conseguem correr mais rápido do que eles. Além disso, eles se interessam mais em atacar as machambas do que as pessoas da aldeia.

E continuou,

- Então ela contou que medo mesmo elas tem é dos crocodilos que ficam espreitando escondidos e as atacam quando elas se abaixam para encher as vasilhas de água!

Nos olhamos em silêncio por alguns instantes e seguimos caminho em busca do grupo que já ia longe. Instintivamente guardamos uma distância segura das margens do rio e não tocamos mais no assunto até retornarmos à Maputo.





terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Sindicato dos Aeronautas anuncia paralisação da categoria


O Sindicato Nacional dos Aeronautas - SNA emitiu uma Nota ao Público comunicando aos usuários do transporte aéreo e à sociedade em geral que comandantes, copilotos e comissários decidiram paralisar suas atividades a partir do próximo dia 03 de fevereiro.

O movimento terá início pela manhã e deverá atingir os aeroportos de São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Salvador, Recife e Fortaleza.

Além de reposição das perdas salariais, o SNA afirma em sua nota estar lutando contra a precarização profissional da categoria, a qual tem como missão a enorme responsabilidade de transportar em segurança vidas humanas.

Veja a íntegra do comunicado no site do SNA: http://www.aeronautas.org.br/

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

De Manaus a Varre Vento de barco pelo Rio Amazonas - Varre Vento - AM

Quem acompanha nossas gastanças de sola sabe que esta não foi a primeira vez que estivemos no Amazonas. De outra feita aproveitamos a estada para conhecer Manaus e arredores, mas desta vez o objetivo era maior: ir para o interior para conhecer a floresta amazônica e seus habitantes.

Em Manaus ficamos hospedados na casa de parentes, com os quais já havíamos previamente combinado uma visita a um dos membros da família que ainda vive numa área rural às margens do Rio Amazonas. Uma vez que não há estradas na região, o único meio de chegar até lá é de barco, os famosos "motores" que transportam de tudo e desempenham um importante papel abastecendo e escoando a produção local das comunidades ribeirinhas.

Na noite anterior à viagem, depois de empacotar o equipamento, nos reunimos no pátio da casa para um bate papo antes de dormir. Nossos anfitriões estavam animados e emendavam história atrás de história sobre o Varre Vento, local de nascimento de boa parte dos presentes na ocasião.

No dia seguinte, as 06:00 estávamos de pé naquele frenesi que antecede uma grande aventura. As informações eram um pouco confusas. Para alguns o motor partia às 07:00, para outros, às 11:00. Por fim chegaram os carros que nos levariam ao porto, onde embarcamos por volta das 08:00 para zarpar às 09:00.

J. Cândido, o motor que nos conduziu nesta aventura.

Estava conosco Tia Zefa, matriarca da família e personalidade muito querida por todos devido a suas habilidades na arte da cura. Assim, conseguir lugar no imponente J. Cândido não foi problema, sendo que para ela o capitão, e dono do barco, nem cobrou a passagem. Pelo que pude apurar, há alguns anos Tia Zefa livrou um de seus filhos de uma doença braba e esta era sua forma de demonstrar gratidão pelo fato.

Vendedor circula entre os passageiros momentos antes do barco zarpar.

Enquanto aguardávamos a bordo pude notar que as viagens de barco possuem um forte impacto na economia local, sendo que os viajantes contam com uma infra-estrutura de apoio realmente impressionante. A começar pelos carregadores que oferecem seus serviços tanto para levar as bagagens dos que partem como descarregar as dos que chegam. E é bom lembrar que bagagem por aqui pode ser qualquer coisa, inclusive fardos de farinha, pirarucu salgado e por ai vai. Depois tem as barracas de lanches rápidos, comuns em todo o território nacional, e as que fornecem quentinhas para viagem! - muito úteis caso o passageiro não queira encarar o serviço de bordo. E há também os fornecedores de suprimentos diversos: redes de pesca, ferramentas agrícolas, azagaias, arpões, redes para deitar, cordas para atar as redes, sacas de mantimentos, etc.

No balanço da rede


Para quem nunca viajou num motor, é bom que se diga que não há bancos, poltronas ou cadeiras. Na área destinada aos passageiros, no teto, há ripas de madeira atravessando de ponta a ponta para que se possa pendurar as redes. No início é um pouco estranho, mas aos poucos a gente se acostuma e tudo passa a ser natural. Neste dia tivemos sorte, pois chegamos cedo e o barco foi relativamente vazio, de modo que foi fácil acomodar nossas redes próximas umas das outras.

Tia Zefa em sua rede.

Durante o trajeto não há muito o que fazer, a não ser curtir a paisagem, dormir ou jogar conversa fora. Na parte superior havia uma lanchonete onde era possível adquirir água mineral, refrigerantes, cervejas e lanches rápidos. Também havia mesas e cadeiras, dessas que se encontra em qualquer boteco Brasil afora. Uma brisa boa, que amenizava o forte calor manauara, era um convite a ficar por ali enquanto aos poucos a cidade ia ficando para para trás. A presença humana foi ficando cada vez menos evidente com a mata sendo pontilhada por pequenos flutuantes ancorados nas margens, algumas povoações e nada mais. Na água, barcos de todos os tipos e tamanhos, provando que o rio é de fato o meio de ligação daquela gente com a civilização.

O desembarque


Passadas quatro horas vieram nos avisar que estávamos nos aproximando do destino. Me juntei ao grupo que havia ficado no convés inferior - e que conhecia a localização da casa onde íamos ficar hospedados - para perguntar onde exatamente iríamos descer. "Ali naquela curva", foi a resposta. Fixei o olhar em busca de um pier ou atracadouro e só havia água e barranco. Foi quando descobri que o desembarque seria feito no meio do rio com o barco em movimento!

Hora do desembarque.

Essa é uma prática comum neste tipo de viagem e todos por ali estavam acostumados. Evita perda de tempo, uma vez que a embarcação não precisa atracar / desatracar e economiza o combustível que seria gasto nas manobras. Para chegar à terra seria utilizada uma lancha rápida que segue atada ao barco. Rapidamente transferimos a bagagem e nos acomodamos na pequena embarcação. Além do nosso grupo, haviam outros passageiros e diversas mercadorias - encomendas de moradores.


Lá se vai a voadora distribuir o pessoal.

Como o acesso à cidade é difícil, muitos ribeirinhos encomendam os suprimentos, que por sua vez são enviados via barco. As formas de realizar as encomendas variam conforme as possibilidades: um conhecido ou parente que vai a Manaus, passar um rádio aos barcos que cruzam ou, com sorte, ligar para alguém via celular. Uma vez feita as compras, basta levar até o capitão e avisar que é para fulano em tal lugar.

Suprimentos entregues aos moradores.

Uma vez entregue as encomendas e desembarcado outro passageiro, chegou a nossa vez. Nisso o piloto pergunta aonde gostaríamos de descer e a resposta vem pronta: "Ali, no terceiro tronco!" Na hora achei engraçado, mas pensando bem, que melhor ponto de referência num lugar em que não há ruas nem número nas casas e muito menos CEP?

Nossa casa em Varre Vento.

Ficamos alguns dias em Varre Vento, tempo suficiente para viver aventuras memoráveis e aprender muito com aquele povo simples que nos recebeu de braços abertos. Há alguns dias publicamos o relato de uma destas experiências no post Causos de viagem : a caldeirada de peixe - Varre Vento - AM. Também tivemos oportunidade de tirar muitas fotos em locais incríveis e você pode conferir o resultado no álbum Varre Vento em nossa página no Facebook.

Hora de voltar


O retorno a Manaus foi tranquilo e dentro do esperado. O dono da casa passou um rádio avisando que haveria passageiros aguardando e o barco enviou uma lancha para recolher o pessoal. No caminho uma surpresa: a piracema havia começado e, literalmente, atravessamos um cardume que subia o rio em saltos que passavam acima de nossas cabeças!

Desta vez era um barco bem menor que o J. Cândido e já estava lotado quando subimos a bordo, o que gerou uma certa dificuldade para acomodar as redes. Era noite e a maioria já estava deitada, pronta para dormir - o trajeto da volta levou oito horas ...

Alguns poucos ainda ficaram nas cadeiras contemplando as estrelas e jogando conversa fora. Lá pelas tantas o capitão subiu para perguntar se alguém gostaria de jogar dominó com a tripulação. Resolvi descer para conhecer a embarcação e lá estavam eles atracados no jogo. Ocupando o espaço disponível caixas e caixas térmicas com peixes destinados à venda nos diversos mercados da Capital. O frete ajuda a custear a viagem e é a única forma de escoamento da produção à disposição dos pequenos produtores rurais.

Hora do lazer a bordo.

Vencidos pelo cansaço, voltamos para as redes para um merecido descanso. Despertamos já em Manaus, no porto da Feira da PanAir, em plena madrugada.

Porto de Manaus na madrugada.

Não há muitos relatos sobre viagem de barco pelo Amazonas, por isso sugerimos a leitura do post da Vaneza Com Z: Amazonas: viagem de barco recreio pelo Rio Negro.

Você também pode estar interessado nos relatos de nossa primeira viagem ao Amazonas:

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Causos de viagem : a caldeirada de peixe - Varre Vento - AM

Em setembro de 2015 a equipe do GSMA retornou ao Amazonas, desta vez com o objetivo de conhecer um pouco do vasto interior da floresta amazônica. Após uma rápida passagem por Manaus embarcamos num motor (em caso de dúvida, consulte o nosso glossário manaura!) rumo a localidade de Varre Vento, distante umas quatro horas descendo o rio Amazonas. Diga-se de passagem que a época do ano não foi escolhida ao acaso, pois este é o período em que as chuvas diminuem e o nível do rio fica mais baixo.

A jornada até Varre Vento e outras peripécias que aconteceram nesta aventura serão contadas oportunamente em outras postagens. Desta vez quero apenas compartilhar uma lição que aprendi e que demonstra o quanto estamos distantes da realidade das pessoas que habitam aquela região.

Uma casa em Varre Vento


Ao chegar, fomos muito bem recebidos pelo dono da casa e sua família. Em pouco tempo estávamos à vontade e conversando como velhos conhecidos. Durante a conversa fiquei sabendo que as terras onde estávamos haviam ficado submersas até poucos dias atrás e que, portanto, ainda não havia sido providenciado uma horta. De fato a casa, apesar de ser construída no estilo palafita, ainda apresentava sinas da passagem da água e a única "plantação" que havia era um pequeno canteiro improvisado numa velha canoa cheia de terra, montada sobre um jirau, onde recém despontavam algumas folhinhas. Posteriormente verifiquei que este é um recurso comum na região como forma de manter os canteiros protegidos tanto da água quanto dos bichos domésticos que andam livremente pelo quintal.

No igarapé.

Lá pelas tantas o dono da casa veio me dizer que um dos meninos (agregado) iria sair para pescar e perguntou se eu não queria ir junto. Segundo ele, haviam muitos convidados e era preciso reforçar a despensa para alimentar o povo, uma vez que na janta seria servido uma caldeirada de peixe! Sempre fui bom de garfo e jamais rejeitei um convite para jantar, ainda mais quando o cardápio inclui este prato típico que aprendi a apreciar em diversos restaurantes das grandes cidades litorâneas. Confesso que estranhei um pouco o fato de ter que buscar o peixe na água, pois normalmente eu pescava meus peixes numa peixaria. Mas com o Amazonas em frente e um imenso igarapé nos fundos, a ideia até que fazia sentido.

A pescaria


Hora de lançar a malhadeira.

E lá fomos nós, três pescadores e um fotógrafo a deitar as malhadeiras em meio aquela paisagem fascinante (para mim, por certo) e um tanto selvagem. Na primeira puxada de rede constatei que o igarapé era habitado por piranhas, que atacaram alguns dos peixes que haviam ficado presos - ou seja - cair na água, nem pensar. Um pouco mais tarde um jacaré atacou uma das redes em busca de comida, causando enorme estardalhaço na água e um belo rombo na malha. O interessante é que o único que achava aquilo novidade era eu. Meus companheiros de pesca encaravam com serena naturalidade todos estes acontecimentos. Inclusive um deles se pôs a pescar piranhas com anzol, pois, segundo ele, "as bichinhas dão um belo ensopado". Deu trabalho e foi cansativo, mas valeu a pena. Além de uma boa quantidade de peixes consegui tirar muitas fotos, as quais vou postando de tempos em tempos no nosso perfil no Instagram (@gastandosola) sob a hashtag #varrevento.

Peixe atacado por piranha.

Piranha vermelha, muito comum na região.

Tá na mesa!


De volta à casa, hora de tratar os peixes e prepará-los para a panela. Mas antes disso, foi preciso ligar a bomba para puxar água do rio e abastecer a caixa d'água, pois água encanada é um luxo que por lá não existe.

Por fim o jantar! E lá vou eu rumo à mesa pensando numa moqueca estilo baiana, com tudo dentro. Mas a realidade é um pouco diferente e o que encontro é um caldo ralo, feito apenas com os peixes e alguns temperos. Para acompanhar, farinha e um ou outro complemento que havíamos trazido de Manaus.

Tratando os peixes para a caldeirada.

Foi aí que caiu a ficha, como se dizia no meu tempo. Estas pessoas moram no meio do nada. O posto comercial mais próximo está a duas horas de rabeta. A enchente levou tudo, é preciso plantar novamente para se ter o quê comer. Enquanto a roça não produz, resta a pesca ou a caça. Parei e olhei em volta. O pessoal animado contava histórias e se divertia, servindo-se do que havia sido posto sem a menor cerimônia. O diferente ali era eu, que só naquele momento começava a perceber a realidade a minha volta. A fome era grande. Servi uma porção generosa de peixe e farinha e comecei a comer devagar, ouvindo a história de como o menino que nos levara na pescaria tinha conseguido aquela cicatriz de mordida de jacaré na perna. Em silêncio, agradeci pela oportunidade de estar ali. Quanto a caldeirada, é preciso dizer que estava uma delícia!