sábado, 30 de novembro de 2013

Palácio Guanabara - Laranjeiras - Rio de Janeiro - RJ

Um dos mais significativos, emblemáticos e assombrados locais do Bairro das Laranjeiras é sem dúvida o famoso Palácio Guanabara.

A construção data da metade do século XIX e destinava-se a ser residência de José Machado Coelho, um português radicado no Brasil. Entretanto, o imóvel é mais conhecido por ter sido residência do casal imperial Princesa Isabel e Conde d'Eu até ser desapropriado por ocasião da proclamação da República em 1889.



Vista frontal do Palácio Guanabara.

Brasão da República, colocado após o confisco da residência imperial.

Atualmente, o Palácio Guanabara localiza-se na Rua Pinheiro Machado, mas na época em que lá viva a Princesa Isabel o acesso era feito pela rua Paissandú (perpendicular à Pinheiro Machado), motivo pelo qual o Imperador D. Pedro II mandou ladeá-la com palmeiras imperiais. Boa parte da Rua Paissandú mantém as palmeiras até hoje e  sua presença empresta um ar solene à paisagem.


Detalhe da Escadaria de acesso.


 
O prédio em estilo neo-clássico
 foi totalmente restaurado entre 2009 e 2011.



Após ter sido confiscado pelo Governo Republicano teve usos diversos. Em 1922 hospedou o Rei Alberto, da Bélgica, foi residência oficial de Getúlio Vargas durante o Estado Novo e sede da Prefeitura do Distrito Federal até 1960.

Na década de 70 foi doado ao governo do antigo estado da Guanabara pelo então presidente Ernesto Geisel. A partir da fusão dos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara passou a ser utilizado como sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, função que permanece até os dias de hoje.








Palácio amaldiçoado


Contam a boca miúda que sobre o Palácio recai uma terrível maldição e que esta seria a explicação para a série de desventuras que se abateram sobre seus ilustres inquilinos: o casal imperial teve o imóvel confiscado e foram exilados na Europa, o rei Alberto veio a falecer de um trágico acidente após sua passagem por lá, o presidente Washington Luiz foi deposto, Getúlio Vargas cometeu suicídio e oito prefeitos não concluíram seus mandatos!

Se estas ocorrências estão relacionadas a eventos sobrenaturais ou não é um mistério. O que se sabe é que um escravo que trabalhava na reforma do casarão durante o período monárquico foi torturado até a morte por um feitor. Revoltado, antes de expirar, sentenciou que nenhum morador daquela casa teria paz enquanto ali vivesse. Pelo sim pelo não, hoje a residência oficial do governador é o Palácio Laranjeiras, próximo o suficiente e distante o bastante para fugir da maldição.