sábado, 14 de dezembro de 2013

Largo do Boticário - Rio de Janeiro - RJ

Enquanto a proposta de revitalização do Cosme Velho não surte efeito, vale a pena relembrar um cantinho quase escondido aos pés do Cristo Redentor: o Largo do Boticário.

O nome do lugar tem origem na residência mandada construir por Joaquim Luís da Silva Souto por volta de 1831. Joaquim foi um famoso boticário que tinha seu estabelecimento na antiga rua Direita, atualmente rua Primeiro de Março, no centro do Rio e que contava entre seus clientes a família real.

Em tempos idos, o Largo do Boticário foi um ponto de eferverscência cultural e por ele passaram ilustres personalidades, entre eles  o marechal Joaquim Alberto, padrinho de Machado de Assis, os arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, integrantes da família Klabin, o paisagista Burle Marx e o artista plástico Augusto Rodrigues.


Vista do largo, com os casarões cercados pela mata atlântica.
View of the site, with houses surrounded by the atlantic forest.

A partir da década de 80 iniciou-se um processo de rápida decadência, inclusive pela invasão dos casarões por pessoas ligadas ao movimento dos Sem Teto. Em março de 2013 a Prefeitura desapropriou os imóveis de número 20, 26, 28 e 30 com o intuito de transformá-los em um hotel de charme (conceito de hotelaria que consiste em utilizar prédios históricos ou de valor cultural para hospedagem).

Detalhe do casarão principal.
Detail of the main house.

Fachada do prédio conhecido como a "Casa Rosa".
Facade of the building known as the "Pink House".
 
A chamada "Casa Rosa" chegou a abrigar uma das edições da Casa Cor, o que teria contribuído significativamente para sua deterioração.

Detalhe em azulejos de um dos casarões.
Detail of a tiled picture on the wall.
 Apesar do projeto de conversão das casas contar com o apoio dos moradores do Cosme Velho, até o momento a iniciativa não saiu do papel e o receio da comunidade é que a demora se estenda ao ponto de tornar irreversíveis os danos causados pelo tempo, humidade e cupins.


Largo do Boticário


While the proposed revitalization of Cosme Velho district dont start, it is worth remembering a small and almost hidden at the feet of Christ the Redeemer: The Largo do Boticario.
The place name has its origin in the residence built by Joaquim Luís da Silva Souto around 1831. Joaquim was a famous pharmacist who had their establishment in the old Right Street , now First March Street in downtown Rio and counted among his clients the royal family.
In the golden times, Largo do Boticario was a point of intense cultural activity and distinguished personalities used to go there, including the marshal Joaquim Alberto, godfather of Machado de Assis, the architects Lucio Costa and Oscar Niemeyer, Klabin family members, the landscaper Burle Marx and artist Augusto Rodrigues.

From the 80's began a process of rapid decay, including the invasion of houses by people linked to the movement of the homeless. In March 2013 the City expropriated the properties of numbers 20, 26, 28 and 30 in order to transform them into a charming hotel (hotel concept that is to use historic buildings or cultural value for hosting).

Despite the conversion project of the houses have the support of the residents of Cosme Velho, yet the initiative failed to materialize and the fear of the community is that the delay extends to the point of making irreversible damage caused by weather, moisture and termites .