segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

O Espírito de Natal já está a solta (e usa vermelho e branco!)

Não há como falar de Natal sem citar Papai Noel, o Bom Velhinho que traz presentes e alegria à crianças do mundo todo.

Tudo começou com o Bispo Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. e que tinha por hábito distribuir presentes aos necessitados no período das festas natalinas. Graças a suas obras e vários milagres a ele atribuídos, posteriormente foi canonizado sob o título de São Nicolau. Aos poucos sua imagem foi sendo associada ao Natal e se espalhando pelo mundo. No Brasil ele é Papai Noel e em Portugal Pai Natal (do francês Noël, que significa Natal). Para os americanos ele é Santa Claus e são eles os responsáveis pelo figurino que adotamos hoje. Até o final do século XIX não havia uma representação definida do Papai Noel, até que em 1886 o cartunista alemão Thomas Nast criou a figura tal como a vemos hoje: roupas vermelhas com detalhes em branco, cinturão e botas pretas.


Para as crianças, brinquedo ainda é o melhor presente.

Muitos alegam não gostar da figura do Papai Noel por considerá-lo ligado ao consumismo. E não deixam de ter razão, pois a universalização da figura criada por Nast ocorreu em 1931 graças a uma campanha publicitária da Coca-Cola que aproveitou o fato das cores do personagem serem as mesmas de seu produto.

Por outro lado, a mística relacionada a ele é tão forte que transcendeu a campanha publicitária e se eternizou nos corações e mentes de todo nós. Ou vai dizer que você não pensa em Papai Noel quando vai chegando o Natal?


Esquina em Penedo, onde Papai Noel perdeu seu sapatinho.


O Espírito de Natal está em toda parte!
Seja como for, o Natal é tempo de paz, de esperança e de fazer renascer a criança que mora dentro de nós. Por isso aproveite! Quem sabe o Bom Velhinho não lhe traga uma surpresa no dia 24?