quarta-feira, 14 de maio de 2014

Fortaleza de Sacsayhuaman - Cuzco - Peru

As ruínas de Sacsayhuaman estão localizadas a aproximadamente 2 km do centro de Cuzco, num caminho de fácil acesso, tanto que alguns turistas aproveitam para fazer uma bela caminhada até o local. Este é um dos pontos mais conhecidos e visitados da cidade e é com certeza o que mais impressiona pela grandeza da obra.

Ruínas das muralhas de Sacsayhuaman.

A função original de Sacsayhuaman ainda é um mistério, mas especula­-se que tenha sido uma instalação com fins militares. Sua área total é de aproximadamente 4.000 m2, espaço suficiente para abrigar toda a população de Cuzco no caso de um ataque inimigo. Em frente as muralhas existe uma grande praça que era usada para cerimônias de cunho militar e religioso. Atualmente, é nesta praça que se realiza o Inti Raymi, ou Festa do Sol, no dia 24 de junho - data que marca o solstício de inverno no hemisfério sul nos Andes.

De acordo com Garcilaso de la Vega, cronista espanhol que acompanhou as expedições de Pizarro, foi o Inca Pachacuti quem deu início a construção de Sacsayhuaman antes de 1438 e a obra teria durado em torno de 50 anos. Quando os espanhóis conquistaram Cuzco ela já estava concluída, tendo sido convertida em pedreira para fornecimento de matéria-prima para as mansões e igrejas erigidas pelos colonizadores europeus. Esta prática visava remover símbolos do povo conquistado para aniquilar a cultura local e subjugá-lo nos planos militar, econômico, cultural e religioso. A Catedral de Cuzco foi erguida sobre as fundações do Palácio Suntur Wasi, residência do Inca Wiracocha, com as pedras levadas daqui. Devido a esta prática hoje se pode apreciar somente 20 por cento do que foi o conjunto arqueológico de Sacsayhuaman.

Pedras monumentais perfeitamente encaixadas.

O que mais chama a atenção ao se observar as muralhas é o emprego de gigantescos blocos de pedra maciça perfeitamente encaixadas. Os monolitos atingem até 9 m de altura e tem peso estimado em torno de 300 toneladas. Acredita-se que a pedreira que abastecia os construtores estivesse localizada a 3 km de distância, exigindo um esforço considerável para o deslocamento dos blocos até seu ponto de destino. Quanto ao sistema de encaixe, tinha a dupla vantagem de dispensar o uso de argamassa para assentar as pedras e de funcionar como uma trava, mantendo a integridade das estruturas mesmo durante os terremotos tão comuns na região.

Vista das muralhas e da praça existente em frente à fortaleza.

Outro detalhe impressionante é o desenho formado pela estrutura e que leva a acreditar que se tratava de uma fortaleza. As muralhas foram construídas em três níveis sucessíveis e em zigue-zague, como os dentes de uma serra. Esta mesma técnia de engenharia militar pode ser notada nas fortalezas coloniais portuguesas em formato de estrela, onde a existência de projeções em ângulo dificultam a escalada das paredes pelo inimigo, pois estes podem ser facilmente alvejados a partir da projeção mais próxima.

Muralha com a cidade de Cuzco ao fundo.

Seja qual for a origem de Sacsayhuaman, hoje ela é a testemunha viva de um passado que mescla o esplendor e a queda do Império Inca. Estudiosos de diversas áreas continuam pesquisando este e outros sítios em busca de respostas sobre o modo de vida dos habitantes originais da América do Sul e visitá-lo é um reencontro com a história.


Veja os álbuns de fotos sobre a viagem ao Peru em Abaretiba, nossa página no Facebook:
Trilha Inca Curta  - rumo à Machu Picchu;
Águas Calientes - reabastecer para continuar a jornada;
Machu Picchu  - um dia na cidade sagrada dos Incas.


Leia também o relato do primeiro dia: Cuzco - Peru, o artigo Cuzco, a versão cotidiana de uma cidade turística - Peru, o relato do caminho até Machu Picchu em Trilha Inca Curta e da experiência de estar em Machu Picchu em Machu Picchu - Peru.